Crianças podem desenvolver síndrome rara quando contaminadas pelo novo coronavírus

Já é comum que as pessoas achem que crianças não desenvolvem complicações graves em decorrência do contágio por Covid-19. Embora os casos graves entre o público infantil sejam menores do que em outras faixas etárias, é importante que os pais fiquem atentos, pois as crianças podem ter complicações ainda não totalmente conhecidas pela literatura médica.

Em Nova York,  cinco crianças morreram e mais de 80 foram identificadas com uma enfermidade rara: a Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica, que é muito similar à Síndrome de Kawasaki, e que, se não tratada, pode ser fatal.

Os médicos descobriram que dos 82 casos da síndrome, cerca de 53 apresentaram resultado positivo para a Covid-19 ou anticorpos relacionados à doença. Das 5 mortes, duas estão sob investigação.

Sintomas

Entre os sintomas da síndrome é possível destacar febre alta, falta de apetite, erupções cutâneas, dor abdominal, vômito ou diarreia, mudanças na cor da pele, coração acelerado, diminuição da micção, letargia e irritabilidade.

Geralmente, a criança não apresenta sintomas por 4 a 6 semanas depois da exposição ao vírus.

A síndrome pode evoluir para problemas mais graves, levando a quadros de insuficiência cardíaca e até choque tóxico, que ocorre quando há falência múltipla de órgãos.

Os casos ainda são poucos, mas vale o alerta.

Quando a criança é levada imediatamente ao hospital, logo que os sintomas são notados, ela se recupera completamente, na maioria dos casos.

Embora o público infantil seja menos afetado pela Covid-19, ainda há muito desconhecimento sobre a doença e as crianças também precisam de atenção e cuidados preventivos.

Talvez te interesse ler também:

Coronavírus e crianças – como explicar o surto e ensinar medidas preventivas

O novo super-herói em tempos de coronavírus segundo Banksy

Quem é vírus sempre aparece: OMS diz que coronavírus pode nunca mais desaparecer

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É redatora-chefe e co-founder de GreenMe Brasil.

Veja Também

Criança de maquiagem: permitir ou proibir? Quais são os riscos?

Pode parecer inofensiva a ideia de meninas pequenas se maquiarem, afinal de contas, muitas mulheres …