Por que as pessoas traem? Os bonzinhos são mais chifrudos, revela nova pesquisa

Por que as pessoas traem? Os bonzinhos são mais chifrudos, revela nova pesquisa

Trair e coçar é só começar, o corno é o último a saber. Entre piadas e frases prontas, o universo da traição é tão grande quanto a diversidade humana. O que leva uma pessoa a trair? Por que as pessoas traem? Algumas, inclusive, até quando amam ou quando têm um casamento feliz.

Vai entender!

Esse assunto nunca tem fim porque o termo traição é subjetivo. Tem quem ache que stalkear é trair, para outros, para haver traição precisa ter conjunção carnal. Já os românticos acham que trair é quando existe sentimento envolvido afinal, a carne é fraca mas o coração é de ouro.

Quanto menos rígido for o conceito do trair, mais traidores teremos por aí. A traição é um conceito cultural e pessoal, que envolve moral, religião, tabu, dor, medos e inseguranças, um tema nem sempre fácil de se adentrar.

E fica sempre aquela coisa: de um lado o traidor, canalha sem vergonha, e de outro a vítima, santa, inocente. Lembrando que a história de traição mais famosa do mundo é a de Judas contra Jesus Cristo. Então já viu, é uma dor enraizada mesmo em nossa cultura cristã.

Mas a boa da vez é que o foco da traição em uma recente pesquisa passou a ser o traído. Em vez de entender o porquê do trair na personalidade do traidor, agora é a vez de entender que existem personalidades facilitadoras do fenômeno.

O bonzinho é o chifrudo da vez. Sempre foi, claro, mas agora a coisa fica cientificada, por assim dizer.

Vamos explicar melhor.

Relatando um estudo feito em 2020, a sexóloga Ana Canosa revela a conclusão do estudo:

“Ter uma parceria conscienciosa, que assume responsabilidades, é confiável, madura e comprometida com o cotidiano e com o relacionamento, é fator protetivo contra a infidelidade. O dado chocante, mas que infelizmente faz sentido, é que ter uma parceria amável aumenta a probabilidade da infidelidade. Ou seja, se tudo o que desejamos é alguém atencioso, afetivo e complacente, como é que essas características podem justamente facilitar a infidelidade do(a) parceiro(a)?

Boa pergunta!

Os pesquisadores hipotetizam que quem é  “coração mole”, sempre disposto ao “perdão” e à compreensão, sempre orgulhoso de manter os valores da família, sofrendo calado em prol do bem-estar comum, acaba sem querer querendo por facilitar a conduta do traidor.

Freud explica!

Na opinião de Ana Canosa, a questão estaria em um desequilíbrio de personalidades dentro do casal onde, de um lado tem-se uma pessoa mais egoista, e de outro aquela disposta a tudo para manter o status quo.

Assim, é o cachorro que morde o próprio rabo, reforçando o lugar de cada um na relação: o egoísta precisa do bonzinho para manter seu egoismo, e o bonzinho, generoso, compreensivo que precisa do egoista para manter o seu lugar de santo na história.

É bom lembrar que estamos em 2021, existe hoje em dia para quem não sabe, relação aberta. poliamor, amizade colorida, sinceridade e as pessoas não precisam de máscaras para viver porque deveriam se dar conta que a máscara do coronavírus é o bastante para proteger a si e aos outros dos vírus sociais, inclusive metaforicamente falando… vocês entenderam!

Chega de hipocrisia!

Talvez te interesse ler também:

Acreditem: o ronco é uma das principais causas da traição

Ordens do Amor: os princípios que regem as relações da nossa existência

A vida começa aos 50, principalmente para as mulheres de hoje

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *