Feministas da velha-guarda administram um 'anti-asilo' na França

  • atualizado: 
anti asilo

Elas participaram do maio de 68 e, ao que parece, estão longe de aposentar as chuteiras. A maioria já passou dos 60 anos, seguem ativas e ativistas. Optaram por experimentar a velhice de um jeito alternativo, sem depender da família, de marido, do patrão ou do governo, tocando projetos coletivos e promovendo atividades para a comunidade, como sessões de cinema e aulas de yoga.

Assim vivem as mulheres da Maison des Babayagas - ou Casa das Babayagas - em Montreuil, nos arredores de Paris. O espaço já foi chamado de "anti-asilo" pelo jornal francês Le Monde.

O nome da casa é uma referência à personagem da mitologia eslava: reza a lenda que em Baba Yaga, a feiticeira de mil disfarces, coabitam o lado fada e a porção bruxa. A velha teria, ainda, o poder de montar dragões e assumir diferentes formas e personas, independente do gênero. A criadora do projeto foi uma militante feminista de carteirinha, participante ativa dos protestos de maio de 1968, Thérèse Clerc, que morreu na capital parisiense há três anos. A vida da ativista já rendeu até um filme: Les Vies de Thérèse, do diretor Sébastien Lifshitz, lançado em 2017.

anti asilo 2

As seguidoras de Clerc mantêm o projeto vivo, com uma rotina diária que envolve cuidar dos três jardins coletivos e a manutenção do espaço onde moram, uma vez que optaram por viver de maneira independente também em relação aos serviços domésticos: são elas próprias que lavam, passam, cozinham e fazem os reparos necessários.

"Este prédio em que moramos fica no centro da cidade, temos cinema, mercados à disposição, o teatro, restaurantes, o metrô fica na nossa porta. Não envelhecemos rápido aqui",

conta Kirsten, a presidente da Babayagas, uma sueca de 75 anos que decidiu mudar de país quando leu a respeito da iniciativa. Ela contou sua história para a RFI:

"Sou divorciada. Tenho duas filhas, uma de 50 anos, e uma de 47. Eu tenho 75. Um dia, já aposentada, mas ainda trabalhando esporadicamente, vi uma reportagem sobre as Babayagas, e nesse momento eu disse: É assim que quero viver. Em um apartamento independente, numa associação feminista, ecologista. Era tudo o que eu sonhava",

contou Kerstin à reportagem. "Não podemos viver sem projetos", arrematou.

Apesar de declararem independência em relação ao Estado, elas contam com o apoio da prefeitura de Montreuil, que é comunista e oferece apoio tanto financeiro quanto logístico, além de sugerir candidatas às vagas disponíveis. Entre os pré-requisitos para integrar a comunidade, consta a comprovação de renda, abaixo de uma certa faixa, uma vez que se trata de um imóvel social.

Talvez te interesse ler também:

A AVÓ NÃO SABE LER E O NETO INVENTA A LISTA TELEFÔNICA COM DESENHOS EM VEZ DE NOMES

O PAI QUE CONSTRUIU UM QUARTINHO DE ESTUDOS PARA FILHA ESTUDAR

UM SHOW DE INCLUSÃO: ALUNA DE ESCOLA PÚBLICA SE VESTE DE CINDERELA E CANTA EM LINGUAGEM DE SINAIS

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!