Máscara 1522: o código que fez farmácias na Itália virarem centros para denúncia de violência contra a mulher

O número de casos de violência contra a mulher aumentou em todo o mundo com a quarentena. O lugar onde deveríamos estar mais protegidos tornou-se um verdadeiro martírio para várias mulheres que são agredidas por seus maridos.

Ficou mais difícil ainda, com o isolamento social, denunciar os casos de abuso e violência, uma vez que não há para onde ir e até mesmo fazer uma ligação pode ser impossível.

Pensando nisso, a Itália desenvolveu um método de denúncia: #mascherina1522. Trata-se de uma campanha para ajudar as vítimas de violência durante a emergência do coronavírus que consiste em apresentar esse código em farmácias ou qualquer outro estabelecimento de saúde, informa Il Messaggero.

A Professora Fabrizia Giuliani, da faculdade de Filosofia da Linguagem da Sapienza, advoga que:

“O estado deve aproximar-se das vítimas, e não abandoná-las agora. É necessário restabelecer um fio de diálogo com as mulheres que estão em casa e em perigo, para reativar a confiança nas instituições. Por esse motivo, solicitamos que seja promovida uma comunicação pública para difundir o número gratuito 1522”.

Para quem não pode ligar para o número, é só usar o código #mascherina1522 nas farmácias, que viraram centros de recepção das denúncias.

O problema no Brasil

De acordo com o documento publicado pela ONU Mulheres “Gênero e Covid-19 na América Latina e no Caribe: Dimensões de Gênero na resposta”, em 20 de março:

“Enfrentar uma quarentena é um desafio para todos, mas para mulheres em situação de vulnerabilidade pode ser trágico. No Brasil, onde a população feminina sofre violência a cada quatro minutos e em que 43% dos casos acontecem dentro de casa, essa preocupação é real”.

A ONG Think Olga fez um estudo sobre a violência de gênero no Brasil em tempos de pandemia. O resultado foi a publicação do relatório “Mulheres em Tempos de Pandemia: os agravantes de desigualdades, os catalisadores de mudanças”, que organiza em três eixos como o novo coronavírus afeta a vida das mulheres brasileiras:

  • violência contra a mulher;
  • mulher, trabalho e economia;
  • mulher e saúde.

É preciso considerar que, no Brasil, uma grande parte das famílias de baixa renda é chefiada por mulheres, logo pensar na parcela da população mais afetada pelas crises sanitária e econômica deveria levar em conta que ela é constituída de mulheres negras que são mães solo. A maioria delas são trabalhadoras domésticas que, neste momento, perderam sua atividade laboral.

Denuncie

As agressões sofridas por mulheres e meninas devem ser denunciadas pelas próprias vítimas, vizinhos e familiares, que são orientados pelos órgãos públicos. Há vários canais para registrar uma denúncia:

Disque 100 – Direitos Humanos
Disque 180 – Central de Atendimento à Mulher
Disque 190 – Polícia Civil

Ainda que haja tantos complicadores, agora, para registrar as denúncias, elas devem ser feitas. A vida de muitas mulheres e meninas pode ser salva por meio delas.

Talvez te interesse ler também:

O esforço emocional de cuidar da casa é o trabalho invisível quem nem às ricas é reconhecido

Vitória histórica no Sudão: proibida a mutilação genital feminina

“Enclothed Cognition”: como usar as roupas a seu favor durante a pandemia

Sobre Gisella Meneguelli

Gisella Meneguelli
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.

Veja Também

Quando o racismo se aprende na escola

A escola é uma das instituições mais importantes no combate ao racismo. Não à toa, …