No Dia Internacional, chefe da ONU diz que ‘violência contra as mulheres não é inevitável’

No Dia Internacional, chefe da ONU diz que ‘violência contra as mulheres não é inevitável’

O Dia Internacional pela Erradicação da Violência contra as Mulheres é comemorado anualmente no dia 25 de novembro. Em um evento virtual, a chefe da ONU Mulheres, Sima Bahous, descreve a violência de gênero como uma “crise global”.

De acordo com a ONU Mulheres, mais de 70 % das mulheres sofrem violência baseada em gênero (GBV) em alguns cenários da crise.

Violência oculta

Tanto nos países ricos quanto nos pobres, o preconceito de gênero alimentou atos de violência contra mulheres e meninas.

A ONU Mulheres explicou que este tipo de violência “muitas vezes não é denunciada, silenciada pelo estigma, vergonha, medo dos perpetradores e medo de um sistema de justiça que não funciona para as mulheres”.

Além disso, a COVID-19 desencadeou uma pandemia de sombra, que permite violência invisível. O cenário da pandemia citou um aumento nos relatórios sobre linhas de apoio para a violência contra mulheres e meninas (VAWG) em todos os cantos do mundo.

Luz no fim do túnel

Em 2020, como parte de um compromisso de 40 bilhões dólares com as mulheres e meninas do mundo, o Fórum de Igualdade de Geração lançou a Coalizão de Ação contra a Violência de Gênero para estimular a ação coletiva, impulsionar o investimento e entregar resultados concretos.

Segundo Bahous:

“Haverá compromissos financeiros e políticos concretos e iniciativas ampliadas em áreas críticas: serviços de apoio aos sobreviventes, estruturas legais e mais recursos para organizações de base”.

A mudança é possível

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, disse que “a violência contra as mulheres não é inevitável“.

A ONU construiu um modelo por meio da parceria com a União Europeia na Iniciativa Spotlight, incluindo estratégias de longo prazo que enfrentam as raízes da violência, protegendo os direitos de mulheres e meninas e promovendo movimentos fortes e autônomos pelos direitos das mulheres.

Países parceiros testemunharam no ano passado um aumento de 22 % na acusação de violência. 84 leis e políticas foram aprovadas ou fortalecidas, e mais de 650.000 mulheres e meninas puderam acessar os serviços de GBV, apesar das restrições relacionadas à pandemia.

Violência sem fronteiras socioeconômicas

O presidente da Assembleia Geral, Abdulla Shahid, disse que uma característica da violência de gênero é que ela não conhece fronteiras sociais ou econômicas e afeta mulheres e meninas de todas as origens socioeconômicas.

De acordo com as últimas estimativas globais, quase uma em cada três mulheres com 15 anos ou mais foi submetida à violência física e/ou sexual por um parceiro íntimo ou não sexual, ou os dois pelo menos uma vez na vida.

Esses números permaneceram praticamente inalterados na última década.

Os dados não incluem todos os tipos de violência, incluindo assédio sexual, violência em contextos digitais, práticas prejudiciais e exploração sexual em diferentes contextos e localizações geográficas.

Pandemia de violência

Desde o início da pandemia, a segurança entre as mulheres diminuiu, impactando significativamente seu bem-estar mental e emocional, de acordo com um  novo relatório  divulgado pela ONU Mulheres.

O relatório foi publicado um dia antes do Dia Internacional e deu início aos 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero, revelando que em 13 países, quase metade de todas as mulheres relataram que elas ou uma mulher que conhecem sofreram violência de gênero durante a pandemia.

Quase um quarto relatou conflitos domésticos mais frequentes, dizendo que se sentiam menos seguras em casa.

Este ano, a UNiTE definiu como tema oficial da campanha 2021 “O mundo de laranja: acabe com a violência contra as mulheres agora!” em livre tradução.

A esperança é que todas as leis funcionem corretamente e que as mulheres sejam prioritariamente assistidas pelo sistema judiciário.

Até quando os dados de violência contra mulher e gênero continuarão aumentando?

Talvez te interesse também:

Minha Voz: uma plataforma sobre a violência contra a mulher 

Na Índia reascende o horror da violência contra a mulher com o estupro de uma menina de 3 anos 

Saiba como proceder em casos de crime de violência contra a mulher 

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *