Desafio #33diassemmachismo - vamos acabar com a Cultura do Estupro

semmachismo

Mudar o comportamento é um desafio para qualquer pessoa. Mudar o comportamento de toda uma sociedade é desafio do tamanho do Universo. Mas, dizem que são necessários só 21 de ação positiva para que a mudança aconteça. Então, vamos a isso?

Está na hora de agir! Desde hoje, dia 01 de junho de 2016, está em vigor o desafio #33DiasSemMachismo, lançado por um coletivo de empreendedores sociais, amigos do curso de pós graduação em Inovação Social do Amani Institute. O coletivo responsável é composto por Bruna Viana, da A Casa Imaginária; Carine Roos, do Maria Lab; Diego Casaes, do Vilynda; Gabriele Garcia, do Think Twice Brasil; Marianne Costa, do Raízes Desenvolvimento Sustentável; e Patricia Santin, da Sementeira Inovação Social e Desenvolvimento.

O desafio é o seguinte: durante 33 dias, a partir de hoje, haverá um lema a ser seguido. Os lemas serão divulgados pela internet. Os 33 dias são simbólicos pois foram 33 os machistas brutos que estupraram a menina de 16 anos no Rio de Janeiro, semana passada.

O lema de hoje é: “Não interrompa a fala de uma mulher, escute o que ela tem a dizer”. Todos os dias mudará o lema.

O objetivo é aumentar o grau de consciência de todos, homens e mulheres, e possibilitar a mudança real deste hábito cultural execrável que é o machismo.

O intuito é instigar as pessoas a praticarem a empatia e saírem de suas zonas de conforto, tais como listar propagandas que sexualizam a mulher e livros escritos por autoras mulheres”, afirma Gabriele Garcia, porta-voz do movimento.
“Ao longo desses 33 dias, esperamos engajar as pessoas a serem mais empáticas e conscientes de suas ações, tornando-se capazes de compreender, através da experiência, a necessidade de ainda se discutir equidade de gênero e direitos humanos”, finaliza Gabriele.

Participe, divulgue, seja pró-ativo nesta mudança tão necessária.

Leia também:

CULTURA DO ESTUPRO: É URGENTE ACABAR COM ISSO

SOMENTE NO SUS, A CADA 4 MINUTOS, 1 MULHER VÍTIMA DA VIOLÊNCIA É ATENDIDA

ONU MULHERES BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA SEXISTA

Fonte: QI - Quem Inova