Brasil perde uma posição no IDH

  • atualizado: 

foto

Há alguns anos o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos brasileiros têm evoluído. Evidentemente, com tantos anos de atraso para recuperar com desigualdade, falta de educação e miséria, falta muito para alcançarmos um índice realmente satisfatório e, ainda, conseguir chegar e se manter em posições no alto do ranking mundial. Em 2014, evoluímos, mas, mais uma vez, vemos o Brasil perder posições. Segundo os dados divulgados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o IDH do Brasil passou de 0,752 em 2013 para 0,755 em 2014, porém, nosso país perdeu uma posição e agora ocupa o lugar de número 75 entre 188 países pesquisados.

O relatório das Nações Unidas intitulado "O trabalho como motor do desenvolvimento humano" foi lançado hoje, 14, demonstrando a perda de uma posição para o país de Sri Lanka, país com alto índice de crescimento do IDH em 2014.

Aqui a trajetória do crescimento do IDH tem sido para cima desde 1990 até 2014, com crescimento de 24,2%, o maior no período entre os países da América do Sul. Em relação à posição no ranking mundial, de 2009 a 2014 o país avançou três posições.

A coordenadora do Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional, Andréa Bolzon, explicou que a diferença no ritmo de crescimento dos países causou a queda do Brasil. “Apesar de o Brasil ter crescido no IDH, outro país cresceu em ritmo um pouco mais acelerado que o nosso. A isso se deve nossa queda”.

O primeiro lugar no ranking mundial é da Noruega, seguido pela Austrália e a Suíça. Em último está o Niger.

Como é feito o levantamento do IDH?

São três os componentes que medem o desenvolvimento humano e compõem o IDH:

- a expectativa de vida (essa sim, evoluiu muito no Brasil e garantiu vários saltos nos últimos anos);

- educação (estamos entre os piores neste quesito, não apenas no Pnud, mas em outras avaliações sobre educação que ocorrem no mundo. Só melhoramos no acesso, mas ainda pecamos na qualidade);

- renda (o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, mostrou em anúncio feito no final da semana passada, que nunca se distribuiu renda no país como nos últimos 13 anos. Bom, mas a atual crise, que começou de verdade por aqui no ano passado e só piora, pode acabar com as conquistas sociais, aliás, devemos cair mais posições no ano que vem neste quesito renda, preparem-se).

foto

Atrás de países latino-americanos

Talvez, mais do que a queda no ranking, o fator que mais incomoda é continuar atrás de vários países da América Latina, todos com PIB menores que o nosso.

Com a 75° posição, o Brasil fica atrás de países latino-americanos como a Argentina (40°), o Chile (42°), Uruguai (52°), Cuba (67°) e a Venezuela (71°).

Estamos atrás da Venezuela, onde serviços e produtos básicos como papel higiênico estão em falta.

E quando falamos que estamos atrás dos outros países, adoramos falar, e é verdade, que tivemos séculos de exploração, uma classe política tenebrosa, entre outros. Esses argumentos valem na comparação com os países de primeiro mundo, não com Cuba.

A Argentina, por exemplo, sofreu com uma ditadura muito mais forte e repressora que a nossa, para citar um dos argumentos que sempre utilizamos para falar de nosso atraso nos últimos 50 anos, e eles estão bem à nossa frente no IDH.

Números do IDH brasileiro no Pnud

O relatório mostrou melhoras nos indicadores de expectativa de vida, que aumentou de 74.2 em 2013 para 74.5 em 2014, e a média de anos de estudo que passou de 7,4 para 7,7 nesse período, porém queda na Renda Nacional Bruta (RNB), per capita de 2014 (15.288), quando comparada a 2013 (15.175), primeira retração da RNB desde 1990.

“O relatório mostrou que do ponto de vista da renda per capita, houve pequena retração e é claro que isso afeta também nosso índice de desenvolvimento humano. Agora, daqui para a frente, precisamos aguardar para ver como as coisas vão se refletir no relatório”, disse Andréa Bolzon.

As políticas públicas brasileiras têm responsabilidade direta sobre esses avanços, segundo a coordenadora do Pnud. “O relatório reconhece esses programas de proteção social e de transferência de renda como importantes para aumentar o desenvolvimento humano. O desenvolvimento dos países tem acidentes de percurso e, se você tem uma rede de proteção social forte, obviamente as coisas ficam mais seguras para todo mundo”, afirmou Andréa.

Talvez te interesse ler também:

OS MELHORES E OS PIORES PAÍSES PARA SE TER UM FILHO

RANKING DAS 20 MELHORES CIDADES PARA OS CICLISTAS

AS 50 CIDADES MAIS SEGURAS DO MUNDO

Fonte fotos: pnud

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!