Nos EUA, obra de Machado de Assis esgota em um dia e nem chega a ir para as prateleiras

Nos EUA, obra de Machado de Assis esgota em um dia e nem chega a ir para as prateleiras

Não é exagero dizer que Machado de Assis é o maior escritor brasileiro de todos os tempos. Os especialistas concordam, quem já leu reconhece e mesmo quem nunca pode apreciar esse grande autor entende a dimensão de sua obra.

Os brasileiros já conhecem, e, agora, é cada vez maior o número de traduções para outras línguas, principalmente a inglesa.

Recentemente, no último dia 2, a editora Penguin lançou uma nova tradução de “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, nos Estados Unidos. A iniciativa faz parte do Selo Penguin Classics e está dando muito certo.

https://www.instagram.com/p/B7jLYJHAl38/?utm_source=ig_web_copy_link

A obra de Machado esgotou em um dia, e nem chegou a ir para as prateleiras. Atualmente o título é a obra latino-americana mais vendida.

Traduzido por Flora Thomson De-Veaux, Memórias póstumas conta uma história inusitada, na qual o morto lembra em retrospecto de sua vida. O pessimismo, realismo, crítica social e humor, marcas da literatura machadiana, estão presente na obra. Um trecho do prefácio da nova edição saiu na revista New Yorker, o que ajudou a alavancar as vendas.

Machado de Assis, que nasceu em 1839, no Rio de Janeiro, era negro, filhos de mestiços e neto de escravos alforriados. Publicou mais de 200 contos, 600 crônicas, além de 9 romances e peças teatrais e cinco coletâneas de poemas.

Segundo a tradutora, o momento pode não parecer propício para lançamentos, mas, na verdade, é tão atemporal, que merecia essa homenagem.

“Eu sei perfeitamente que é um momento estranho para celebrar o lançamento de um livro (em função da pandemia e dos protestos antirracistas). Mas eu não teria dedicado anos da minha vida a traduzir este aqui se não estivesse convencida de que é um romance eterno. Há ecos – troque febre amarela por Covid – e continuidade – racismo sistêmico, tão pungente hoje quanto era na década de 1880”, disse em entrevista.

Talvez te interesse ler também:

Sabedoria e ancestralidade negra: livros contam histórias do Quilombo da Tapera

Gabriel García Márquez – A vida, Livros e as Frases mais bonitas

A (in)utilidade da literatura: ninguém quer pensar fora da caixa

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *