Surddy, o palhaço surdo: humor e alegria em um show de inclusão!

Pessoas que nascem com algum tipo de deficiência acabam desenvolvendo alguma habilidade especial. Afinal, os nossos sentidos são como canais que o nosso corpo utiliza para perceber o mundo.

A inclusão não é apenas a aceitação de uma diferença, mas é a expressão que garante a ela ter a potência de ser e de valorizar e respeitar a vida humana em sua diversidade. Quem de nós pensaria, por exemplo, que existe um palhaço surdo?

Mas ele existe. E traz humor e alegria em seus espetáculos.

O Palhaço Surddy

Igor Andrade Rocha (31 anos) é um pernambucano que nasceu surdo. Aprendeu leitura labial quando criança e, aos 17 anos, passou a se comunicar com a Língua Brasileira de Sinais (Libras), como informa o site Sem Barreiras.

Nas suas performances, o artista faz uso de mímicas, da linguagem corporal e da Libras. Quando está no picadeiro, Igor dá vida ao Palhaço Surddy, nome que faz alusão à surdez.

A primeira vez em que Igor foi a um circo acessível ele tinha 27 anos, graças a um intérprete que traduzia as piadas. Antes, a expressão corporal ajudava a compreendê-las, mas ficava claro que às pessoas surdas era muito difícil ter acesso a esse tipo de diversão.

Inspiração

Foi assim que ele teve a ideia de criar um projeto circense para pessoas surdas com a ajuda de amigos, há três anos. Igor buscou referências no cinema mudo, nas personagens de Charlie Chaplin, Jim Carrey e Mr Bean devido às expressões corporais presentes em suas atuações.

“Eles usam expressões facial e corporal que são importantes para mim. Esses artistas passaram a inspirar o trabalho do Surddy”, conta.

O espetáculo “A chegada”, do Palhaço Surddy, passou a contar com o incentivo do Itaú Cultural. Nele, há um tradutor/intérprete de Libras nos momentos em que há conversas com o público, além de ainda ter o elemento de audiodescrição para o público com deficiência visual.

Questionado sobre a sua representatividade na atuação teatral, Igor é categórico:

“As pessoas que me conhecem ficam felizes em ver o meu trabalho como palhaço ganhar espaço profissional. Acho que é uma possibilidade de outras pessoas surdas verem que é possível a comunidade surda ocupar estes espaços profissionais na arte”.

Igor destaca que é necessário que a sociedade abrace a inclusão. Ela precisa acontecer realmente para que as pessoas, em suas diferenças, possam conviver de verdade.

Parabéns e gratidão a Igor. Pessoas assim nos fazer crer que um mundo melhor é possível!

Talvez te interesse ler também:

O sucesso do Coringa em um mundo cheio de gente invisível

Parece fofo, mas não é! Adultizar crianças é feio e prejudicial

Saiba quais são os medos e preocupações infantis, de acordo com a idade da criança

Fonte foto: Olivia Godoy

Sobre Gisella Meneguelli

Gisella Meneguelli
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.

Veja Também

Natal

Natal: 31 Curiosidades e Símbolos

Talvez não exista época mais encantadora que o Natal. Muita tradição, religiosidade e mística juntas …