Covid: recorde absoluto de mortes na Itália. Quase mil casos

Covid: recorde absoluto de mortes na Itália. Quase mil casos

O segundo país a ser atingido pelo coronavírus, depois da China, foi a Itália. E de lá nós tiramos tantas lições e exemplos sobre como lidar com a situação. Ontem os italianos tiveram um recorde absoluto no número de mortes por Covid-19.

Em um só dia, 993 pessoas morreram, ontem, 3 de dezembro, na Itália. O número é maior do que o pico de 27 de março, quando 969 pessoas morreram vítimas da doença causada pelo vírus SARS-CoV-2.

Somente ontem, foram 23.225 novos contágios em 226.729 testes realizados.

Desde o começo da pandemia, a Itália soma agora 1.664.829 casos de coronavírus, como informa o site do Ministério da Saúde italiano.

Índice Rt abaixo de 1

Embora o número de mortes assuste, o índice Rt alivia. Rt é o índice de reprodução do vírus ao tempo. Estando abaixo de 1, significa que uma pessoa sequer contagia outra.

O número de mortes também deve ser redimensionado. Isso porque quem morre hoje reflete uma situação pregressa de pelo menos 15 dias. A Itália está fechando o cerco, agora com o assim chamado “toque de recolher” e atualmente o país dividiu suas regiões em 3 situações: amarela, laranja e vermelha, com graus diferentes de restrições.

Os amarelos que estão melhor, tem bares e restaurantes fechados às 18:00 hs e às 22:00 todos devem estar em casa (toque de recolher). Os laranjas estão com bares e restaurantes fechados. Somente as lojas se salvaram. Os vermelhos estão com tudo fechado. As cidades tiveram a liberdade de fechar ou não escolas e parques, enquanto cinemas e shows seguem proibidos em todo o território.

As medidas parecem ter funcionado mas agora estão chegando o Natal e as festas de fim de Ano, e o povo quer sair, visitar amigos e fazer festa. A situação ainda é obscura. Ninguém sabe se poderá viajar. Por ora, somente os  amarelos podem viajar e somente para as regiões amarelas, enquanto os laranjas e os vermelhos não podem sair de suas regiões.

Mais um pouco de sacrifício

“Mais um pouco de sacrifício” pediu hoje o ministro da saúde italiano, Roberto Speranza. Embora o índice de transmissão do vírus esteja abaixo de 1, isso “não significa que o perigo passou”, disse.

O governo italiano aprovou ontem um “decreto de Natal“: proibindo viagens entre regiões (mesmo entre as zonas amarelas) de 21 de dezembro a 6 de janeiro.

Se o coronavírus não matar, existe a possibilidade de morte por depressão e desemprego. Parece ridículo falar mas o “fique em casa” não está sendo considerado como deveria em uma pandemia que virou sindemia, cujas consequências precisam ser contabilizadas, muito além do número de mortes.

Talvez te interesse ler também:

No Japão suicídio mata MUITO mais que Covid-19

Alerta OMT: crise provocada por coronavírus vai gerar milhões de desempregos

Covid-19: dicas para um Natal seguro na pandemia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on google