Alerta OMT: crise provocada por coronavírus vai gerar milhões de desempregos

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

São e serão inúmeras as crises geradas pela pandemia do novo coronavírus.

Uma delas diz respeito às questões da empregabilidade. Antes mesmo do Covid-19, a precarização das relações de trabalho já era uma realidade com a qual milhões de pessoas em todo o mundo já lidavam.

Segundo a Organização Mundial do Trabalho (OMT), as consequências sociais da crise da saúde deverão ser ainda mais graves que a crise econômica de 2008, informa o jornal italiano La Repubblica.

Um estudo realizado pela OMT com governos, sindicatos e organizações trabalhistas de 187 países revela que a pandemia deverá acarretar cerca de 25 milhões de desempregados em todo o mundo, deixando pior um cenário que já era péssimo: em 2019, foram registrados 188 milhões de desempregados.

Setores mais afetados

Os setores que mais sentirão os efeitos do desemprego serão o turismo, o transporte e a indústria automobilística, esclarece Guy Ryder, diretor-geral das Nações Unidas.

“Será um teste de proporções perturbadoras, muito pior do que o de 2008”, prevê.

As economias capitalistas ocidentais serão as mais afetadas pela crise, visto que deixarão de lucrar 3100 bilhões de euros até o final deste ano.

Vamos viver uma era de pauperização generalizada, cujo resultado será a diminuição em consumo e serviços, o que provocará um efeito cascata, ao impactar as empresas e as economias nacionais.

Entre 8 e 35 milhões de pessoas se enquadram na categoria dos chamados “trabalhadores pobres” (que ganham menos de 2,90 euros por dia, cerca de 17 reais).

Ryder é categórico sobre esse cenário:

“Tomando o exemplo do que aconteceu em 2008, é imperativo proteger os salários dos funcionários e tentar economizar empregos”.

Vivendo na informalidade

Mas o que dizer sobre e para aqueles que vivem da informalidade, como é o caso de uma parcela enorme da população mundial? O que dizer, por exemplo, a Ana María Reymundo, de 88 anos, que ouviu Nayib Bukele, presidente de seu país, El Salvador, recomendar que as pessoas ficassem em casa para conter o Covid-19?

“Eles não querem que você saia para trabalhar, mas eu não tenho uma pensão. E como vou fazer, se não saio para vender, não como ”.

Conforme divulgou o site Manualidades Fáceis, Ana María vende cestas plásticas no Centro Histórico da capital de El Salvador. O que vende compõe a sua única renda. Essa condição é a mesma enfrentada por milhões de brasileiros, sobretudo, após a aprovação da reforma trabalhista pelo Congresso nacional, que deixou ainda mais em situação de vulnerabilidade social os trabalhadores do país.

O modelo econômico neoliberal que assola os Estados Unidos e tantos países latino-americanos está deixando mais evidente a desigualdade social e a falência dos Estados que o adotaram.

Talvez te interesse ler também:

Líder comunitário das favelas alerta que governo está ignorando os pobres diante da pandemia

Coronavírus: ‘a situação não está sob controle’, admite Trump. Reino Unido também muda estratégia

‘Um vírus matará milhões de pessoas’, disse Bill Gates em 2015

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Instagram
Siga no Facebook