Dia 19 de abril: Dia do Índio ou Dia do Indígena?

Dia 19 de abril: Dia do Índio ou Dia do Indígena?

Desde pequenos, na escola, celebramos em 19 de abril o Dia do Índio. Mas será que aquilo que aprendemos na escola reflete mesmo o conhecimento que deveríamos receber diretamente dos indígenas brasileiros?

O primeiro passo nessa direção é descolonizar o conhecimento que “aprendemos” sobre os indígenas no Brasil, o que equivale a ressignificar o signo “índio”. O índio é uma criação do branco colonizador para criar um Outro, que funciona como seu antagonista.

Colonização do ser e do saber

O indígena é o sujeito, mas que foi colonizado como objeto, ou seja, aquele que foi representado como índio e nunca teve voz para falar em seu próprio nome.

A teórica feminista Gayatri C. Spivak, ao colocar a questão “Pode a subalterna falar?”, nos chama a atenção não somente para a voz que não é ouvida mas, sobretudo, para a ausência de espaços onde ela possa ser articulada. A noção de falar diz respeito àquilo que não se pode falar em seu próprio nome, algo que se estabeleceu dentro dos regimes opressivos do colonialismo, do racismo e do patriarcado na América.

O projeto colonial se estruturou no binarismo primordial humano/não-humano para justificar outros, como: civilizado/primitivo, cultura/natureza, sujeito/objeto, razão/emoção.

Todos os binarismos representam um polo positivo, representado pelo homem branco europeu, e um polo negativo, representado por negros, indígenas, mulheres, que não apenas foram dominados, subjugados e vitimados por um violência brutal, como foram dessubjetivados, para serem silenciados desde a sua humanidade.

Por que o 19 de abril?

Essa data não foi escolhida ao acaso para ser o Dia do Índio no Brasil. Ela remete a protestos dos povos indígenas de todo o continente americano, na década de 1940, que levaram à organização de um congresso no México no qual foram debatidas medidas de proteção aos indígenas.

Segundo a BBC, foi entre os dias 14 e 24 de abril que o Congresso Indigenista Interamericano foi realizado em Pátzcuaro, Michoácan, sob a negativa de participação de representantes indígenas que acreditavam que não teriam voz nas reuniões.

Nos primeiros dias do congresso, o evento sofreu um boicote dos indígenas. Foi apenas no dia 19 de abril que eles decidiram tomar as rédeas das discussões, razão pela qual a data foi escolhida para representar os indígenas sendo sujeitos de sua própria história.

No Brasil, foi apenas em 1943 que o governo do então presidente Getúlio Vargas decretou a data comemorativa. O responsável por essa articulação política foi o General Marechal Rondon, que esteve à frente, em 1910, da criação do Serviço de Proteção ao Índio, que depois se tornaria a atual Funai (Fundação Nacional do Índio).

Representatividade

O dia 19 de abril é uma data para celebrar a diversidade dos povos indígenas, mas, principalmente, para que escutemos as suas narrativas e passemos a respeitá-las. Respeitar os indígenas significa, entre outras coisas, entender os seus modos de vida e coexistir com eles.

Respeitar os povos indígenas começa por escutar o que eles têm a dizer. Atualmente, a internet facilitou muito a vida de nós todos que vivemos na sombra da ignorância sobre quem são os indígenas brasileiros. Podemos acompanhar as suas lutas e histórias através de seus líderes, que são aguerridos representantes da luta indígena, que passa, inclusive, pela defesa do meio ambiente.

Se você quer conhecer mais e ter a sua própria visão sobre quem são os indígenas brasileiros, para celebrar o dia 19 de abril, busque informação com os próprios. Ailton Krenak, Sônia Guajajara, Davi Kopenawa são só alguns nomes de indígenas que militam por seus povos e que têm muito a nos ensinar sobre quem eles são – e sobre nós também.

Talvez te interesse ler também:

O maior genocídio de todos os tempos não foi o Holocausto, mas o dos povos indígenas

Mais de 300 etnias, mais de 200 línguas: conheça a riqueza cultural dos nossos índios

Povos indígenas são os melhores guardiões das florestas, confirma relatório da ONU

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *