©Projeto Budiões/Instagram

Budião: uma das espécies marinhas mais bonitas da fauna brasileira

Budião: uma das espécies marinhas mais bonitas da fauna brasileira

Você conhece o budião?

O budião ou peixe-papagaio (Scarus coeruleus), é considerado o jardineiro mais bonito dos 7 mares. Este peixe multicolorido, com as nadadeiras fosforescentes e a posição da boca – que faz parecer que ele está sorrindo!-, habita o nordeste e o sudeste brasileiro.

Ele é uma criatura fundamental para a manutenção dos recifes e corais do litoral brasileiro. Com sua boca em forma de bico, os budiões trituram os esqueletos de cálcio dos corais e os excretam como areia branca.

Um único peixe-papagaio pode gerar centenas de quilos de areia branca ao longo da vida.

Um jardineiro de confiança: o papel ecológico do budião

Os budiões – com uma família com aproximadamente 100 espécies, 10 delas presentes no Brasil – sendo herbívoros que consomem uma grande quantidade diária de alimento, realizam, nas regiões de recifes, o papel de controle do crescimento das algas, consumindo essa vegetação para que ela não acabe “sufocando” o crescimento dos corais.

E esse papel de “jardineiro” do budião se mostra essencial porque, a alga é uma forma de vida que compete com os corais por alimento e tem uma velocidade de crescimento maior.

É a presença faminta do budião que ajuda a manter o equilíbrio do ecossistema, garantindo que os corais se reproduzam e as algas não se avolumem. Esse é o ciclo alimentar do ambiente coralíneo.

Projeto Budiões

Os budiões podem sofrer com a pesca predatória, a poluição e outros riscos que a vida marinha segue sendo alvo.

Para isso foi criado o Projeto Budiões, desenvolvido pelo Instituto Nautilus em parceria com 7 universidades e patrocinado pela Petrobras.

O projeto trabalha com pesquisa e conservação de 5 espécies de budiões presentes no litoral do Brasil:

  1. budiões banana,
  2. budiões vermelho,
  3. budiões cinza,
  4. budiões verde,
  5. budiões azul,

e reforça o compromisso de investimentos socioambientais e cuidados com o meio ambiente.

A pesquisa

A pesquisa envolve desde o monitoramento da atividade pesqueira em áreas de presença das espécies, educação ambiental sobre a importância do budião, passando pelo desenvolvimento de políticas públicas de preservação e produção de conteúdo científico sobre as características e contribuições desses animais para o ecossistema.

O monitoramento, avaliação e status populacional dos budiões, são realizados por meio de mergulho autônomo ao longo de aproximadamente 3.300 km de costa brasileira, em 7 estados.

Durante o mergulho, os pesquisadores identificam e anotam todas as espécies de peixes e invertebrados encontrados. Estes métodos são chamados de censo visual em transecto (para contagem de peixes) e a intersecção de pontos para a contagem de invertebrados.

Em recifes profundos, a presença de mergulhadores é muito limitada pelo tempo e, mesmo nos recifes rasos, a presença do mergulhador pode afetar diretamente o comportamento dos peixes.

Para evitar essa interferência, o Projeto Budiões utiliza RUVs (Remoted Underwater Video ou vídeos subaquáticos remotos) que são deixados por períodos de até 50 minutos a 30 metros de profundidade e 6 a 15 metros dos recifes.

É assim que os pesquisadores observam a ocorrência e distribuição dos budiões e avaliam sua interação no ambiente com indivíduos da mesma espécie ou outras espécies.

Ajude a preservar a natureza para que o budião continue sempre vivo e em ação.

Olha que lindo o budião!

Talvez te interesse ler também:

Peixes estão comendo microplástico não é de hoje (é desde 1950 e cada vez mais)

Pequeninos indefesos: os peixes de água doce mais ameaçados do Brasil 

Os arquipélagos que declararam guerra aos protetores solares, pela paz da vida marinha 

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *