pintos
pintos

Corte alemã diz sim à morte de milhões de pintos

O Tribunal Administrativo Federal da Alemanha acaba de dar um parecer favorável ao agronegócio do país, que, pelo menos temporariamente, terá carta branca para prosseguir com o abate de pintos machos. A decisão, anunciada na última quinta-feira, causou surpresa entre líderes políticos e pode gerar atritos com o alto escalão do governo.

Apesar de constar no parágrafo primeiro da Lei de Bem-Estar Animal do país que “ninguém deve infligir dor, sofrimento ou dano a um animal de estimação sem uma causa razoável”, produtores de ave da Renânia do Norte-Vestfália entraram com recurso para derrubar um decreto do estado, de 2013, que proíbe as empresas do setor de matar filhotes. Um tribunal de primeira instância determinou que a morte por produção de alimentos constituía um motivo “razoável”, levando a disputa para a corte superior.

A ministra da Agricultura da Alemanha, Julia Klöckner, é uma das vozes no governo a fazer coro pela proibição e chegou a taxar esse tipo de abate de “eticamente inaceitável”. Friedrich Ostendorff, porta-voz do Partido Verde alemão, disse estar “surpreso e desapontado” com a decisão da alta corte de Leipzig. Segundo os magistrados, a decisão tem caráter temporário e a prática continuará valendo até que métodos alternativos de identificação do sexo em ovos sejam aplicados na indústria.

O assassinato em massa dos machos é prática comum na produção agrícola de escala industrial no mundo inteiro, por razões econômicas. Os números impressionam: segundo informações apuradas pela britânica BBC, só na Alemanha, 45 milhões de pintos machos morrem por ano.

Para os bilhões de galinhas usadas em criações de ovos e aves a cada ano, um número equivalente de machos morre logo após o nascimento. Os pintos machos são vistos na indústria como comercialmente inúteis devido a um crescimento mais lento, em relação às galinhas, o que os torna economicamente inviáveis para a produção de carne.

Os cientistas alemães, depois de anos de pesquisa e milhões de financiamento do governo, encontraram uma solução para o problema: eles desenvolveram uma maneira de descobrir o sexo do embrião de frango, sete dias após a fertilização, a partir da extração de fluidos do ovo. O método permite que os machos sejam descartados antes do nascimento e transformados em ração animal de alta qualidade.

Talvez te interesse ler também:

VOCÊ TRABALHARIA COMO SELECIONADOR DE PINTINHOS POR 165 MIL REAIS POR ANO?

UM MASSACRE SEM FIM: JAPÃO RETOMA CAÇA ÀS BALEIAS

LEI QUE PROIBE BALEIAS E GOLFINHOS EM CATIVEIRO É APROVADA NO CANADÁ

Sobre Redação GreenMe

Redação GreenMe
greenMe.com.br é uma revista brasileira online, de informação e opinião Editada também na Itália como greenMe.it
Anterior A avó não sabe ler e o neto inventa a lista telefônica com desenhos em vez de nomes
Próximo LIGRE – Você conhece o maior felino do mundo?

Veja Também

Papagaio engarrafado

Tráfico de animais, um crime perverso sustentado por você!

Não se trata de um vício ou um desejo incontrolável. Não se trata de uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *