10/12: Dia Internacional dos Direitos Animais. Abaixo o Especismo

10/12: Dia Internacional dos Direitos Animais. Abaixo o Especismo

Em 1998 a ONG inglesa Uncaged criou o Dia Internacional dos Direitos Animais. O nome da ONG significa solto (fora da cela, da jaula, da gaiola).
A data é uma alusão à Declaração Universal dos Direitos Humanos, ratificada pela ONU em 1948, porque, claro, somos todos animais e sendo assim, somos todos merecedores  de direitos fundamentais como por exemplo, o direto à liberdade.
Animais, todos, são seres sencientes, capazes de sentir dor, alegria, tristeza… São sujeitos morais e como tais, têm direitos assim como nós.

Declaração Universal dos Direitos dos Animais

Você sabia que existe uma Declaração Universal dos Direitos dos Animais? O documento fora proposto pelo cientista Georges Heuse e aprovado pela UNESCO em 1978.
A Declaração prescreve, principalmente, que:

  • Todos os animais são sujeitos de direitos e estes devem ser preservados
  • O conhecimento e ações do homem devem estar a serviço dos direitos animais
  • Os animais não podem sofrer maus-tratos
  • Animais destinados ao convívio e serviço do homem devem receber tratamentos dignos
  • Experimentações científicas em animais devem ser coibidas e substituídas
  • A morte de um animal sem necessidade é biocídio
  • A morte de vários animais de uma mesma espécie é genocídio
  • Animais destinados ao abate devem sê-lo sem sofrer ansiedade e nem dor.

Especismo

Especismo é um termo que prega pela igualdade entre as espécies como fundamento da vida. Uma das afirmações que se destaca na Declaração dos Direitos dos Animais é  a de que “o respeito pelos animais, por parte do homem, está relacionado com o respeito dos homens entre eles próprios”.
Difícil para a espécie mais inteligente do planeta entender isso, sendo a espécie que mais discrimina e mata. Deveríamos nos envergonhar do nome sapiens inscrito no gênero Homo.
Especismo também tem a ver com aquela velha máxima: por que alguns animais a gente ama, outros a gente maltrata e mata para servir de alimento? Ou seja, por que comemos porco e não comemos gato?
Porque é uma questão cultural! Simples assim e isso é uma muleta para nossa (in) consciência seguir achando que tal discriminação  é normal, porque cultural.
Na Itália comem cavalos, na China comem de tudo, no Brasil comem porco mas comer cachorro é nojento.

A verdade é que nós amamos certos bichos fofos e fazemos de conta que outros “merecem” o sofrimento, para satisfazem nosso prazer carnal por picanha.
É hora de assumirmos a nossa vaidade, o nosso egoísmo, a nossa incoerência, ou parar de fricote e assumir o óbvio ululante: todo animal sente dor.
Não é justo prender uns e libertar outros.
Todo animal tem sua importância na biodiversidade da Terra. Não é justo odiar e matar uns, e venerar outros.
Pensem nisso e feliz Dia Internacional dos Direitos Animais.
Go vegan!
Talvez te interesse ler também:
Veganofobia: por que os veganos são tão odiados?
É preciso salvar todos os insetos para salvar a existência humana
Tráfico de animais, um crime perverso sustentado por você!

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *