©Pedro Lastra/Unsplash

Animais, pedras e conchas: da praia nada se toca e nada se leva. É crime!

Quando se vai à praia, a primeira coisa que se deve ter em mente é que você é visita, está indo numa casa que não é sua. Peça licença, seja educado, arrume a sua bagunça e principalmente não toque em nenhum ser vivo, animal ou planta, sem autorização.

Até pedras e conchas devem ser mantidas exatamente onde estão, fazem parte do ambiente, são necessárias. Caso contrário, o ciclo de vida do animal e mesmo seu processo de seleção natural, poderão ser alterados.

Por que você não deve recolher e levar pra casa as conchas do mar

Existem plantas e animais, como estrelas-do-mar por exemplo, que são extremamente sensíveis ao toque humano, à exposição solar e ao oxigênio e podem morrer facilmente.

Nem todo mundo sabe, mas bastam alguns segundos fora da água para as estrelas-do-mar morrerem

Os corais são outra espécie muito sensível ao menor toque podem morrer.

Não toque nos animais

Siris, caranguejos, estrelas-do-mar, águas-vivas, peixes, ouriços, enfim, se você é adulto, não pegue ou casse animais marinhos por diversão, tenha consciência e responsabilidade ambiental.

Oriente as crianças para que não brinquem com animais marinhos, não usem baldinho para aprisionar peixes ou outros bichos, nem tampouco toque neles se encontrá-los na beira da praia ou na faixa da areia.

Se for queimado por uma água-viva, lembre-se que era você o invasor da sua casa e não o contrário. Portanto não a mate, não a retire da água. Mantenha distância do animal, saia da água e cure a queimadura.

Queimadura de água-viva: 5 coisas a fazer (e 5 para não fazer)

O que fazer quando encontrar um animal na areia

O animal só deve ser retirado da praia se apresentar algum dano causado por ação humana, por exemplo, lesões externas, interações com redes de pesca ou vestígios de óleo.

Significa que algum objeto externo provocado por ação humana interferiu na saúde do animal, prejudicando seu ciclo de vida, nesse caso é recomendado acionar o Serviço Ambiental do município ou do estado para recolher e cuidar do bicho.

Como primeira alternativa, pode-se acionar o guarda-vidas ou o corpo de bombeiros.

Caso contrário, não é recomendado interferir no ciclo de vida do animal e no seu processo de seleção natural.

Vale dizer que, alguns animais quando são trazidos pelas ondas à beira da praia, normalmente estão encerrando seu ciclo, é natural.

Há outros tipos de animais, que vivem lá e cá, na areia e no mar, e possuem o hábito de parar na beira da praia para descansar, podendo permanecer fora da água por várias horas.

Nesses casos, muito menos, não há qualquer necessidade de interferência humana.

Jamais arraste um animal de volta para água!

De novo, se ele estiver doente, velho ou morrendo de causas naturais, é o ciclo da vida, respeite.

De outra forma, se o animal só estiver descansando, ele voltará para o mar quando quiser.

O que fazer se encontrar um animal grande na areia

Você já sabe que não deve tocar em nenhum animal que encontrar na praia. Mas e se esse animal for de grande porte, tipo um leão-marinho, uma baleia ou mesmo um pinguim? E se o animal estiver encalhado?

Nesses casos, as recomendações são:

  • Manter distância mínima de cinco metros e evitar aglomerações em volta do animal, pois isto causa grande estresse e pode ser perigoso;
  • Jamais tentar recolocar um animal de volta ao mar;
  • Nunca alimentá-lo;
  • Jamais tocar nesses animais, pois eles podem ser agressivos;
  • Mantenha uma distância segura, pois esses animais são portadores de zoonoses que podem ser transmitidas para os humanos e o contrário também pode acontecer;
  • Nunca tentar retirá-los da praia ou transportá-los sem avaliação de profissionais qualificados (biólogos e veterinários) em fauna marinha;
  • Jamais levá-los para sua residência;
  • Respeitar a rotina de vida das espécies que utilizam a praia para descanso;
  • Avisar as autoridades competentes imediatamente, podendo começar pelos guarda-vidas, se existirem no local ou a Polícia Militar e, sempre que possível, realizar registro fotográfico para facilitar a avaliação dos biólogos e veterinários quanto a real necessidade de resgate.

Mas não se esqueça, comete crime quem captura, leva para casa, fere, mata ou causa danos a animais da fauna brasileira, inclusive os marinhos.

Crime ambiental

A Lei dos Crimes Ambientais (Lei n° 9605/98) prevê penas de multa e detenção de 6 meses a 1 ano para quem levar ou manter espécies nativas em casa.

Nas mesmas penas incorre quem impede a procriação da fauna ou modifica, danifica ou destrói ninhos, abrigos e criatórios da vida natural, mata, persegue, caça, apanha ou utiliza de espécies da fauna silvestre, nativa ou em rota migratória, inclusive animais da vida marinha.

Cachorro ou pet na praia, melhor não!

Parece tentador e divertido, mas evite levar seu cachorro ou pet na praia, principalmente aqueles que ficam soltos.

Não somente eles podem prejudicar a fauna destruindo ninhos ou machucando ou matando animais, como suas fezes podem trazer bactérias e parasitas nocivos.

Em muitas cidades brasileiras tem leis municipais específicas proibindo a entrada de cachorros e demais animais de estimação na praia.

Seja consciente, haja com precaução e colabore!

Talvez te interesse ler também:

O que fazer se você encontrar um animal silvestre na sua casa

Piscina de areia: querendo imitar o ambiente natural, o homem acaba por destruí-lo

Como vivem os caracóis. Curiosidades e diferenças entre moluscos

Sobre Juliane Isler

Juliane Isler
Juliane Isler, advogada, especialista em Gestão Ambiental, palestrante e atuante na Defesa dos Direitos da Mulher

Veja Também

Teste do espelho: quais animais reconhecem o próprio reflexo?

Será que os animais conseguem reconhecer o próprio reflexo no espelho? Um teste desenvolvido por …