Se continuar como está, a humanidade caminha para autoextinção

Se continuar como está, a humanidade caminha para autoextinção

A humanidade tem agido de modos a causar a própria extinção. Fatores que atestam isso não faltam:

  • degradação de habitats para criar indústrias, cidades, usinas, etc
  • exploração e matança de animais, causando desequilíbrios ambientais, extinção de umas espécies e superpopulação de outras.
  • uso abusivo de recursos naturais devido ao consumismo
  • desmatamento
  • emissão de gases que causam o aquecimento global
  • uso abusivo de todo tipo de produto químico e tóxico

Mas a lista não acaba aqui.

Fatores que podem nos levar à extinção

Além dos sinais de degradação ambiental provocados pelo ser humano, existem outros fatores que podem levar a humanidade à própria extinção ou à sua redução.

Henry Gee, que é paleontólogo, biólogo evolucionário, editor da Revista Científica Nature e autor do livro A (Very) Short History of Life on Earth, aponta outros fatores.

Mas ele não é o primeiro nem o único a alertar para essa possibilidade:

Entre os fatores citados por Henry Gee, destacamos:

Escassez de recursos naturais

O Homo sapiens existe há cerca de 315.000 anos, interferindo na natureza e na vida das outras espécies.

A degradação do meio ambiente causada pelo homem nos leva à escassez de recursos naturais, ao desequilíbrio ambiental e consequentemente às catástrofes provocadas por essas interferências.

Diminuição da natalidade humana

A reprodução, a fertilidade e a natalidade humana têm diminuído, ao passo que nossa genética não se renova.

Nas últimas décadas, a fertilidade humana declinou muito, desencadeando taxas de natalidade mais baixas.

Fatores que podem estar provocando essa situação são:

  • poluição
  • estresse
  • sedentarismo
  • uso do plástico e de outros desreguladores endócrinos

Além das questões biológicas, fatores econômicos têm levado as pessoas a trabalhar mais para manter seus padrões de consumo. Principalmente nos países desenvolvidos, os casais estão preferindo cada vez mais ter menos filhos.

A emancipação econômica e política das mulheres e os métodos contraceptivos também vêm causando a diminuição da natalidade humana.

Saldo negativo com a natureza

dívida de extinção” é um termo usado em ecologia para explicar a extinção futura das espécies, causada por eventos no passado.

Falta de variabilidade genética entre os humanos

A falta de variação genética se deve ao fato de a população humana ter aumentado de forma acelerada. O resultado disso é que a espécie Homo sapiens é extraordinariamente igual, apresentando falta de diversidade e renovação genética.

De acordo Henry Gee, alguns grupos de chimpanzés selvagens carregam mais variações genéticas do que toda a população humana.

“A falta de variação genética nunca é boa para a sobrevivência das espécies.”

Colapso ou diminuição da população humana

Em suma, para Henry Gee, se a humanidade seguir como vem seguindo, a nossa espécie corre sérios riscos de entrar em extinção ou ter sua população muito reduzida.

“Suspeito que a população humana não está destinada apenas a diminuir, mas a entrar em colapso — e logo.”

Atualmente, a população do planeta Terra é estimada em mais 7,9 bilhões de humanos, segundo a plataforma Worldometer.

Conforme a projeção de Henry Gee, este número atingirá o pico em meados deste século. Então, começará a cair por conta de todos os fatores que foram apontados por ele. Nesse contexto, em 2100 a população mundial poderá ser menor do que é agora.

Muitos festejarão a merecida extinção do homem e acreditarão que finalmente a justiça universal foi feita. Resta saber o que sobrará da Terra. Talvez o planeta não mereça um final tão infeliz.

Talvez te interesse ler também:

Relatório sobre clima global alerta para extinção da humanidade

Elon Musk e seus Projetos contra a Extinção da Humanidade

Sozinhos: a humanidade corre o risco de viver em um planeta vazio

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *