desmatamento
desmatamento

Desmatamento e incêndios na Amazônia: da Nestlè ao Carrefour, aqui estão as multinacionais com a consciência suja

Incêndios estão destruindo a floresta amazônica brasileira. Mas, diante dessa situação, como devem agir as principais empresas de fast food, como McDonald’s, KFC, Burger King e até a Nestlé e o Carrefour?

Quase 2,5 milhões de hectares de terra foram queimados em agosto, segundo dados publicados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o órgão brasileiro responsável pelo monitoramento das florestas. Os povos indígenas acusam Bolsonaro pela situação atual, no entanto, os responsáveis pelo desmatamento e, indiretamente, pelos incêndios, não são apenas agricultores e criadores de gado, mas também as principais cadeias de fast food. Por quê?

O novo relatório Might Earth

Os ecossistemas da Amazônia são dizimados pela criação de gado e pela produção de soja. McDonald’s, KFC e Burger King compram carne brasileira e as três cadeias servem frango alimentado com uma dieta à base de soja. Mas não é só. De acordo com um novo relatório da ONG Might Earth, haveria muitas outras empresas envolvidas no desmatamento, como a JBS, Bunge e Cargill, Stop & Shop, Costco, McDonald’s, Walmart/Asda, Nestlé, Burger King e Sysco.

“Essas empresas não apenas financiam diretamente o desmatamento, mas têm constantemente pressionado os governos a interromper as proteções ambientais básicas. Ninguém que faz negócios com a Cargill e a JBS pode falar seriamente que está preocupado com o desmatamento”, explica Glenn Hurowitz, CEO da Mighty Earth.

Para se ter uma visão geral da situação, denunciada em várias ocasiões pelo Greenpeace, é importante lembrar que

  • o McDonald’s é o maior cliente da Cargill, que serve carne bovina brasileira e frango alimentado com soja.
  • O Burger King segue exatamente a mesma política.
  • A Nestlè, que há anos vem assumindo compromissos públicos contra o desmatamento, de fato não compra mais óleo de palma, mas usa soja e compra alimentos para animais da Cargill.
  • Quanto ao Carrefour, a empresa francesa é uma das maiores redes de supermercados do mundo e compra da Cargill e da JBS. O Carrefour se comprometeu a não usar, a partir de 2020, produtos que aumentam o desmatamento, mas a regra não se aplica aos produtos processados ou congelados.

“KFC, McDonald’s e Burger King estão entre os maiores nomes do fast food. Seus restaurantes são encontrados em todo o mundo. Se essas empresas de fast food se declarassem contra a destruição das florestas e mudassem de direção, todo o setor poderia mudar “, afirma o Greenpeace.

Em geral, a demanda doméstica e internacional por carne bovina alimentou a rápida expansão da indústria pecuária na Amazônia. De 1993 a 2013, o gado na Amazônia cresceu quase 200%, chegando a 60 milhões de cabeças.

“Cinco anos atrás, empresas como Cargill, Unilever e Yum Brands estavam no palco da Cúpula do Clima de Nova York e proclamaram seu compromisso de remover o desmatamento de suas cadeias de suprimentos até 2020. O mesmo se deu no Fórum de Bens de Consumo, cujos membros incluem a Walmart, Marte e Danone. Todos ainda precisam manter esse compromisso. Essas empresas precisam assumir a responsabilidade pelos impactos de seus produtos, bem como eliminar os incentivos econômicos que promovem essa perigosa destruição ambiental”, escreve a ONG.

Talvez te interesse ler também:

CONSUMO DE CARNE E QUEIMADAS NA AMAZÔNIA: TUDO A VER

CACIQUE RAONI É CANDIDATO AO PRÊMIO NOBEL DA PAZ POR SUA LUTA EM DEFESA DA AMAZÔNIA

SEGUNDO HUMAN RIGHTS WATCH, GOVERNO BRASILEIRO ‘ENCORAJA’ VIOLÊNCIA NA AMAZÔNIA

Sobre Redação GreenMe

Redação GreenMe
greenMe.com.br é um site de informação sobre meio ambiente e saúde, criado para levar ao grande público, a consciência de que um mundo melhor é possível, através de um comportamento respeitoso com todas as formas de vida.

Veja Também

Madeira ilegal e glifosato em esquema de escravidão moderna em MG

De acordo com o Ministério Público do Trabalho, conforme publicação em sua página no Instagram, …