Ministério Público Federal pediu investigação sobre a exoneração do Diretor do Ibama

Ministério Público Federal pediu investigação sobre a exoneração do Diretor do Ibama

O Ministério Público Federal, através da Câmara de Defesa do Meio Ambiente e Patrimônio Cultural – 4ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal e a Câmara de Defesa das Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais – 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal, representou junto à Procuradoria Da República para que seja investigada a exoneração do Diretor do Ibama, Olivaldi Azevedo, publicada no DOU na segunda-feira, dia 13.

Segundo consta do documento da representação, o MPF pretende fazer uma investigação mais aprofundada dos fatos e circunstâncias da exoneração, identificando se houve ato de improbidade administrativa por parte do Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles e do Presidente do IBAMA, Eduardo Bin.

No documento, os promotores alegam que em defesa dos princípios da moralidade, eficiência administrativa e da legalidade, é preciso que sejam investigadas as circunstâncias e motivação da exoneração, que ocorreu depois da divulgação de uma megaoperação contra garimpos e madeireiras ilegais no sul do Pará.

A megaoperação foi comandada pela Divisão de Proteção Ambiental (Dipro) do Ibama e teve início em 4 de abril, visando proteger 1.700 índios que vivem na região Amazônica contra a propagação da contaminação pelo novo coronavírus além de combate ao desmatamento, garimpo e madeireiras ilegais.

A operação ganhou repercussão nacional após ser divulgada pelo programa Fantástico, no último dia 12.

Para o Ministério Público, há indícios de que o afastamento do referido diretor esteja relacionado à operação deflagrada pelo IBAMA, “e a consequente insatisfação de grupos que vêm exercendo a prática ilegal da invasão de terras indígenas, desmatamento, furto de bens da União e garimpo”.

O Ministério Público também pretende investigar se com o afastamento de Olivaldi, a operação em curso pelo IBAMA sofreu qualquer interferência, suspensão ou teve seu ritmo ou abrangência atenuados, especialmente nesta dramática situação de riscos à saúde das populações indígenas.

Atualização

Nesta sexta-feira, 17, a Procuradoria da República aceitou o pedido de investigação apresentado pelo MPF e abriu inquérito civil para apuração de possíveis atos de improbidade praticados pelo Ministro do Meio Ambiente e pelo Presidente do IBAMA.

Talvez te interesse ler também:

Eles não fazem home office: garimpeiros e grileiros seguem degradando a Amazônia (e os indígenas)

Jovem yanomami de 15 anos morto por Covid-19

Survival denuncia o perigo das “portas abertas” aos missionários para evangelizarem indígenas isolados

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *