Quem está na boiada de Salles? #NomeAosBois

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, quer passar a boiada. Quem faz parte dessa boiada que conta com o apoio do governo federal para destruir o meio ambiente brasileiro?

Salles declarou, em um vídeo de uma reunião ministerial de 22 de abril, que:

“Precisa haver um esforço nosso aqui, enquanto estamos neste momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só fala de Covid, e ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas”.

Em um claro desrespeito às vítimas da Covid-19 no Brasil e ao meio ambiente, Salles quer acelerar os processos que facilitam aos interesses privados o desmonte do regramento ambiental no país. Para o ministro e o governo, este momento de fragilidade trata-se de uma oportunidade de negócio.

Para reagir à fala de Salles, várias organizações ambientais, como Observatório do Clima, Greenpeace e ClimaInfo, lançaram pelas redes sociais a campanha #NomeAosBois, a fim de revelar quais são as empresas que apoiam a gestão da pasta ambiental, mesmo após as declarações de Salles, informa o Brasil de Fato.

View this post on Instagram

Após denunciarmos o oportunismo desumano do anti-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, de usar a Covid-19 para avançar com a agenda de destruição ambiental, a reação chegou da maneira mais vergonhosa. Algumas associações brasileiras publicaram anúncio ontem em jornais, defendendo a fala de Ricardo Salles e sua política desrespeitosa. Mas há empresas que já se manifestaram. A @BeachPark formalizou reclamação por não ter sido consultada e pediu desfiliação da ADIT. As marcas @turmadamonica, @oboticario, @AvonBrasil e @NaturaBrOficial também se manifestaram, dizendo que não foram consultadas e que não concordam com tal posicionamento. Precisamos dar #NomeAosBois e perguntar às empresas que ainda não se manifestaram, que fazem parte dessas associações, se elas compactuam com o desmonte ambiental que está em curso no país. Olá,@brf_global @sadiabrasil @qualy @batavo @searabrasil @friboibrasil Marfrig @pedigreebr @meugatowhiskas @royalkaninbrasil @loccitane_br @colgatebrasil @proctergamble @bourbonhoteis. Vocês assinam, por meio de suas associações, o apoio à "oportunidade" de passar o desmonte do meio ambiente, enquanto milhares de pessoas perdem suas vidas para a Covid-19? #EssaBoiadaNãoVaiPassar #ForaSalles #Greenpeace Com @observatoriodoclima e @clima.info

A post shared by Greenpeace Brasil (@greenpeacebrasil) on

Algumas empresas já chegaram a se pronunciar para informar que não estariam apoiando o ministro. Entre as marcas que fazem parte da boiada de Salles estão: Sadia, Friboi, Quali, Batavo, Seara, entre outras.

View this post on Instagram

Além de apoiarem um governo que destrói o meio ambiente em plena pandemia da #Covid19, as associações que assinaram o anúncio em defesa do ministro Ricardo Salles na terça-feira parecem desrespeitar também as empresas que estão ligadas a elas. Desde então, muitas marcas se posicionaram contra o anúncio e alegaram que sequer foram consultadas sobre o assunto. Parece que Ricardo Salles e sua política desastrosa não têm tanto suporte quanto parece, não é mesmo? Estas são as marcas que questionamos e que se posicionaram contra o anúncio publicado por suas associações: @beachpark @turmadamonica @oboticario @avonbrasil @naturabroficial @batavo @friboibrasil Marfrig @pedigreebr @meugatowhiskas @royalcaninbrasil @loccitane_br @bourbonhoteis @brf_global @sadiabrasil @accor @txairesorts . Já estas marcas não nos responderam até o momento. Continuamos curiosos em saber se elas compactuam com o desmonte ambiental: @qualy @searabrasil @colgatebrasil @proctergamble @wyndham . #NomeAosBois #EssaBoiadaNãoVaiPassar #ForaSalles #Greenpeace

A post shared by Greenpeace Brasil (@greenpeacebrasil) on

Como consumidores, devemos estar atentos aos valores éticos e sociais das empresas, afinal, somos nós, através do que consumimos, que damos o tom daquilo que esperamos dos produtos que adquirimos.

Se você não concorda com as propostas do governo federal para o meio ambiente, não o apoie. Uma das formas de fazer isso é deixando de consumir produtos de empresas “parceiras” do governo, como as listadas acima. Existem outras marcas que oferecem produtos de qualidade e alinhadas a valores mais justos, as quais devemos devemos levar em conta quando vamos fazer as nossas compras.

Isso vale para todos os tipos de produtos que compramos. Devemos exigir das empresas valores justos, assim como nós também devemos praticar a nossa responsabilidade como consumidores.

Talvez te interesse ler também:

Passando a boiada: ministro do Meio Ambiente fecha 3 bases do projeto Tamar

Covid-19: a situação é muito grave para os Indígenas do Xingu

Aumento vertiginoso: na Mata Atlântica, desmatamento sobe 30% restando apenas 12,4% de mata original

Sobre Gisella Meneguelli

Gisella Meneguelli
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.

Veja Também

gelo

Gelo do Ártico derrete em ritmo alarmante e pode libertar vírus e bactérias mortais

Vírus e bactérias que estão “hibernando” no frio polar Ártico podem acordar de um sono …