Por pressão de funcionários, Jeff Bezos (Amazon) cria fundo para combater mudanças climáticas e doa US$ 10 bilhões

Parece que surtiu efeito a pressão dos 300 funcionários da Amazon que, há 20 dias, criticaram a política ambiental da empresa e pediram por mais esforços para combater a crise climática.

Ontem (17), Jeff Bezos, fundador e CEO da empresa, anunciou em sua conta no Instagram o lançamento do ‘Bezos Earth Fund‘, um fundo para financiar cientistas, ativistas e ONGs empenhados em pesquisas e ações que contribuam para a preservação e proteção da Terra.

View this post on Instagram

Today, I’m thrilled to announce I am launching the Bezos Earth Fund.⁣⁣⁣ ⁣⁣⁣ Climate change is the biggest threat to our planet. I want to work alongside others both to amplify known ways and to explore new ways of fighting the devastating impact of climate change on this planet we all share. This global initiative will fund scientists, activists, NGOs — any effort that offers a real possibility to help preserve and protect the natural world. We can save Earth. It’s going to take collective action from big companies, small companies, nation states, global organizations, and individuals. ⁣⁣⁣ ⁣⁣⁣ I’m committing $10 billion to start and will begin issuing grants this summer. Earth is the one thing we all have in common — let’s protect it, together.⁣⁣⁣ ⁣⁣⁣ – Jeff

A post shared by Jeff Bezos (@jeffbezos) on

A gigante do comércio eletrônico vinha sendo alvo de críticas dos próprios funcionários, que criaram a Amazon Employees for Climate Justice – AECJ, na sigla em inglês, ou Funcionários da Amazon pela Justiça Climática, em tradução livre.

As críticas se referem ao plano ambiental apresentado por Bezos em 19 de setembro do ano passado, segundo o qual a Amazon zeraria suas emissões de carbono somente em 2040. A AECJ questiona essa meta e defende que se busque atingir a neutralidade de carbono uma década antes, até 2030.

Os questionamentos em relação a empresa e sua política ambiental também vêm de fora: com um sucesso que se apoia fundamentalmente em transporte rodoviário, a Amazon, segundo a plataforma online Climate Watch, produz 44,4 milhões de toneladas de CO2 anualmente. Para efeito de comparação, isso representa cerca de 10% das emissões anuais totais da França.

“A mudança climática é a maior ameaça ao nosso planeta”, escreveu Bezos. “Eu quero trabalhar com outras pessoas tanto para ampliar caminhos conhecidos quanto para explorar novas formas de combater o impacto devastador das mudanças climáticas neste planeta que todos compartilhamos”.

Ele afirmou que a salvação do planeta depende de um esforço coletivo de grandes e pequenas empresas, estados-nação, organizações globais e indivíduos. Bezos finalizou dizendo que se comprometeria, de saída, com 10 bilhões de dólares.

Que o exemplo dos funcionários da Amazon seja replicado em muitos outros lugares. Imagina se a moda pega? O planeta só tem a agradecer.

Talvez te interesse ler também:

Guardas financiados pela WWF investigados por violência contra pigmeus Baka do Congo

Fabricantes de agrotóxicos recebem isenções de impostos, o que reduz verbas para Saúde e outras áreas

Tecelões-sociáveis: os pássaros arquitetos que constroem os maiores e mais complexos ninhos do mundo

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É fundadora e redatora-chefe em GreenMe Brasil.

Veja Também

Ministério do Meio Ambiente

Vitória! Maioria do STF anula decisão de Salles e mantém proteção aos manguezais

Já contamos aqui que a ministra do STF, Rosa Weber, concedeu liminar ao pedido dos …