Uberização no campo: como o modelo de negócio da Amazon está invadindo o mundo rural

Uberização no campo: como o modelo de negócio da Amazon está invadindo o mundo rural

A precariedade social provocada pela modelo laboral da uberização é uma realidade que vem afetando todo o mundo. O nome deriva do serviço Uber, no qual os prestadores de serviço entram com o seu investimento pessoal em um negócio que não lhes dá qualquer garantia ou direitos trabalhistas.

Esse modelo de negócio tem como expressão máxima a empresa Amazon. O ganhador do Oscar 2021 de Melhor Filme, Nomadland, mostrou bem como é a relação entre esses prestadores de serviços e a Amazon, nos Estados Unidos, e como tais pessoas, que vivem sem qualquer amparo social, transformaram-se em nômades à procura de empregos temporários.

Não bastasse esse modelo perverso ter se instalado nas grandes e médias cidades do mundo, parece que a uberização chegou ao campo.

Uma reportagem de Vanessa Nicolav, publicada pelo Brasil de Fato e divulgada pelo Instituto Humanitas Unisinos, revelou como está sendo processada uma coleta de dados de agricultores por grandes empresas de tecnologia, como a Amazon e Microsoft.

A consequência da chegada ao meio rural de empresas que trabalham com big data é a uberização da agricultura, o que significa a concentração de informação sobre os recursos naturais do planeta para a financeirização desse tipo de capital (na lógica de tais empresas).

Segundo o sociólogo e pesquisador sobre redes digitais da Universidade Federal do ABC (UFABC) , Sérgio Amadeu:

“Todos essas empresas, de áreas distintas da cadeia do mercado alimentício, estão fazendo ações de coleta de dados, de como o agricultor trabalha, estão mapeando o solo, as plantas e tudo mais que eles puderem. O objetivo é ter o controle, do financiamento, da produção e da distribuição de alimentos no planeta”.

A expansão das empresas de tecnologia se dá por meio de empresas agrícolas tradicionais, como Sygenta, Bayer e Basf, que possuem aplicativos, usados por milhões de produtores do mundo, que administram dados sobre qualidade do solo, quantidade de água e forma de produção. Esses dados se transformam em informação sobre a cadeia produtiva do campo e onde ela está localizada.

Segundo Larissa Packer, advogada popular ambiental que pesquisa o assunto:

“São 24 milhões de hectares, entre Estados Unidos, Canadá, Brasil, Argentina e Europa, integrados a esse aplicativo. Todo mundo postando dados sobre seu solo, quantidade de água, fertilidade, etc. E esses dados sendo processados pela Amazon”.

A especialista avalia que o maior risco da digitalização de dados sobre o campo é a transformação pelas mãos do agronegócio de áreas agroecológicas em monocultura. Ou seja, é a comida do mundo virando investimento financeiro.

O impacto dessa transformação já está ocorrendo, por exemplo, no Quênia, onde a financeira estadunidense Goldman Sachs e a cadeia de supermercados francês Auchan tomaram o mercado alimentício do país africano.

Na Índia também houve, recentemente, uma greve que levou milhões de pessoas às ruas contra a empresa estadunidense Walmart por concentrar dois terços do mercado varejista do país.

Colocar a produção alimentar mundial sob o controle das big tech é aumentar a precarização do trabalho, agora ampliada para o campo, e a degradação ambiental pelo uso de agrotóxicos e a eliminação do pequeno produtor.

Leia AQUI a reportagem completa

Como sempre alertamos, é preciso saber de quem você compra os produtos que consome. Privilegie sempre a loja e a vendinha do bairro, os produtores orgânicos, o livreiro do sebo e todos esses trabalhadores que resistem ao modelo da uberização, que, na verdade, trata-se da exploração do trabalho e do meio ambiente.

Talvez te interesse ler também:

Os 10 mandamentos do consumo consciente para você entender esse conceito

Cataratas gigantes secam no Zimbábue: o que está acontecendo?

Chega de crueldade: veja alternativas ao uso de animais em laboratórios

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *