O coronavírus está ofuscando a pior invasão de gafanhotos do século

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Na África, está ocorrendo a pior invasão de gafanhotos dos últimos 25 anos, ou dos últimos 75, se considerarmos apenas o caso do Quênia.

Um enxame de insetos com quase o dobro do tamanho de toda a superfície de Roma está se movendo do nordeste do Quênia em direção ao sul do Sudão do Sul e a Uganda.

Estamos falando de quase 200 milhões de gafanhotos que há mais de um mês devastam colheitas e vegetações, devorando em um único dia uma quantidade de comida equivalente ao que 90 milhões de pessoas consumiriam.

É a enésima consequência da crise climática: os gafanhotos precisam de solo úmido e arenoso para depositar seus ovos e proliferar, condições que são verificadas devido a uma estação chuvosa anômala, que durou mais do que o normal.

A situação é dramática, mas, apesar da extensão da emergência, muito poucos estão falando sobre essa invasão devastadora, porque nos últimos meses as atenções se concentraram no novo Coronavírus.

Ainda assim, a invasão de gafanhotos está colocando em risco quase 4 milhões de crianças que já sofrem de formas graves de desnutrição.

A Etiópia, o Quênia e a Somália já estão tentando lidar com a escassez de recursos alimentares: as previsões indicam que mais de 1,3 milhão de crianças com menos de 5 anos de idade sofrerão fome em 2020, mesmo sem a invasão dramática dos gafanhotos.

Também devido à crise climática, no ano passado, os três países enfrentaram um longo período de seca seguido de uma longa estação chuvosa: as consequentes inundações atingiram e destruíram grandes áreas cultivadas e pastagens, reduzindo os recursos alimentares.

Os insetos vorazes colocarão em dificuldade mais de 10 milhões de pessoas, entre crianças e adultos, que vivem em áreas rurais.

Se a situação piorar ainda mais, muitas pessoas serão forçadas a abandonar suas terras para sobreviver, dando origem a uma importante migração em massa para países onde – pelo menos por enquanto – os efeitos da crise climática ainda são suportáveis.

Talvez te interesse ler também:

Fabricantes de agrotóxicos recebem isenções de impostos, o que reduz verbas para Saúde e outras áreas

Zero Veneno: Florianópolis será a primeira zona livre de agrotóxicos do Brasil

Agrotóxico natural: óleo de eucalipto combate fungos em plantas

Fonte gráfico: FAO

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
greenMe.com.br é uma revista brasileira online, de informação e opinião Editada também na Itália como greenMe.it
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Instagram
Siga no Facebook