Má gestão do lixo causa problemas de saúde à toda sociedade

Os impactos que o lixo causa são tão extensos que não podem ser tratados em um único texto. E o estudo feito pela Associação Internacional de Resíduos Sólidos, por meio de uma parceria com a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza e o Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana mostra isso.

A análise mostrou a produção de sólidos no Brasil entre os anos de 2010 e 2014 e o diretor-presidente da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza (Abrelpe), Carlos Silva Filho, falou sobre os impactos de tanto lixo na saúde dos brasileiros.

75 milhões de pessoas afetadas pelo lixo

“É realmente assustador. Percebemos que no Brasil são cerca de 75 milhões de pessoas, ou 1/3 da população, que sofrem com os males da gestão inadequada de resíduos sólidos. Infecções intestinais e estomacais, problemas cardíacos, problemas de irritação das vias aéreas e problemas de pele que não têm uma causa direta explicável são as doenças decorrentes do não tratamento dos resíduos sólidos”, esclarece Carlos.

Este número expressivo denota o fato de que não são apenas as pessoas envolvidas com lixões, coleta de lixo ou que moram próximos de aterros que sofrem os efeitos do lixo, essa é uma conclusão errada da sociedade que acredita que a sua rua estando limpa, tudo está bem.

A destinação inadequada de resíduos acaba por contaminar o meio ambinete, trazendo impacto para um enorme grupo de pessoas que consomem produtos contaminados, ou a água contaminada, pois o sistema, às vezes, não consegue reduzir suficientemente as impurezas da água por conta de tamanha degradação, o que resulta em uma série de doenças que não sabemos a razão, ou sempre falamos que se trata de uma “virose”.

Na verdade é o lixo agindo negativamente na saúde de todos, mesmo que seu bairro, sua rua e casa estejam limpos. O diretor-presidente da Abrelpe ilustra bem este assunto:

“A destinação inadequada de resíduos contamina o solo, as águas, a flora e a fauna, e traz impacto a um grande número de pessoas (...) gerando uma série de doenças ao ser humano e custos para os tratamentos de saúde”.

Lixões que ainda existem

Carlos Silva falou sobre a necessidade de acabarmos totalmente com os lixões e que, a população que mora a um raio de 30 quilômetros deste tipo de área, pode apresentar os efeitos negativos em seu organismo.

Carlos afirma que fechar os lixões definitivamente em todas as regiões do Brasil é uma das soluções. É a pior fonte de contaminação da população.

“Se continuarmos com os lixões, se permitimos por mais tempo o uso de lixões no país, nós contribuiremos para um elevado índice de mortalidade da população,” conclui.

O estudo internacional que fala exclusivamente sobre a situação do lixo no Brasil está disponível no site da Abrelpe.

Leia também:

CONHEÇA A DIFERENÇA ENTRE LIXÃO E ATERRO SANITÁRIO

A IMPORTÂNCIA SOCIAL E AMBIENTAL DO TRABALHO DOS CATADORES

O QUE FAZER COM OS 10 BILHÕES DE TONELADAS DE LIXO QUE PRODUZIMOS?

Fonte foto: fotospublicas.com