Menos lixo com esse sistema de embalagens retornáveis e recicláveis da Alemanha

Menos lixo com esse sistema de embalagens retornáveis e recicláveis da Alemanha

Ao comprar bebidas, os alemães precisam fazer um depósito chamado “pfand”.

Nesse sistema, quando os consumidores compram bebidas, precisam pagar um valor adicional, o chamado “pfand” pelo recipiente que contém o líquido. Ao devolverem as garrafas ou latas em locais como supermercados, os consumidores alemães recebem o dinheiro do pfand de volta.

O pfand vale para embalagens como garrafas de vidro e PET, latas e, desde 2003, para alguns tipos de embalagens descartáveis.

Tipos de recipientes aceitos no sistema pfand

O sistema pfand alemão aceita dois tipos de garrafas:

  • o primeiro tipo inclui as garrafas de vidro e de plástico PET, que tem os valores de depósito estipulados pelos produtores respectivamente entre 8 e 25 centavos de euro – entre R$ 0,50 a R$ 1,59 aproximadamente;
  • o segundo tipo inclui os recipientes de uso único, aquele utilizados uma única vez antes da reciclagem, com o valor fixo de 25 centavos de euro – R$ 1,59 aproximadamente.

A taxa atual de retorno para as embalagens de bebidas é acima de 98%.

Como é feita a reutilização e a reciclagem no sistema pfand

Há um longo caminho que uma garrafa de refrigerante, por exemplo, percorre do recolhimento até voltar às prateleiras dos supermercados: um vendedor atacadista de bebidas transporta os recipientes diversos em um caminhão para o local da triagem. Lá, a garrafa é colocada com outras do mesmo tipo.

Então, são retiradas por um produtor que usa esse modelo de embalagem e são higienizadas, preenchidas e redistribuídas às prateleiras.

Já para as garrafas de uso único o caminho é diferente: assim que são retiradas da loja, são transportadas para um centro de reciclagem, trituradas e transformadas em pellets, que são pequenos grânulos de plástico que podem gerar novas garrafas plásticas, tecidos e outros recipientes à base de materiais plásticos.

Vale a pena seguir esse exemplo?

Especialistas ouvidos pela DW dizem que é preciso analisar a situação em cada país. Por um lado há uma pressão até mesmo social para reduzir o lixo, mas por outro é preciso fazer as contas direitinho porque mesmo nesses sistemas há emissão de CO2 seja no transporte que na reciclagem dos materiais.

Talvez te interesse ler também:

Reciclagem não é a solução para o problema do plástico com nosso planeta

O que as empresas já estão fazendo para substituir o plástico e driblar o problema do lixo

Cientistas australianos desenvolvem sistema que recicla todo tipo de plástico e transforma em combustível

Food in nude: os supermercados da Nova Zelândia que se despediram do plástico na seção de hortifruti

Em Londres, o leite é entregue em garrafas de vidro para reduzir o lixo plástico

Carlsberg apresenta a primeira garrafa de cerveja do mundo feita de papel reciclável e sustentável

Plástico pandêmico: 26 mil toneladas de lixo da Covid poluindo os oceanos do mundo

Perigo oculto: a contaminação química por plástico no ambiente

Europa proíbe mas poluição por plástico já é quase irreversível, diz estudo

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *