Moda ecológica: brilho sustentável com lantejoulas bioplásticas feitas de algas

Moda ecológica: brilho sustentável com lantejoulas bioplásticas feitas de algas

Os estilistas Phillip Lim e Charlotte McCurdy criaram um vestido ecológico adornado com lantejoulas bioplásticas, livres de petróleo, fibras sintéticas e corantes que causam poluição.

A base do vestido é feita de fibras vegetais onde foram costuradas as lantejoulas desenvolvidas pela McCurdy, de Nova York.

Segundo informações do site Dezeen, McCurdy desenvolveu um filme de bioplástico feito de macroalgas marinhas.

O material é resultante de carbono negativo, ou seja, as macroalgas removem e sequestram o carbono da atmosfera ao longo da vida. Devido ao formato de lâminas, os estilistas optaram por fazer lantejoulas para conseguirem costurá-las no tecido, dando fim às poluentes lantejoulas de plástico sintético.

Brilho sustentável

Para criar as folhas de bioplástico, as algas foram expostas ao calor e depois foram colocadas em moldes até endurecerem. O brilho característico das lantejoulas convencionais foi conquistado pela fusão do molde mais profundo de vidro que transfere o acabamento reflexivo para as peças.

Depois disso, as lantejoulas foram recortadas no formato de folhas de modo que pudessem proporcionar ao vestido um efeito ondulante por todo o comprimento. A cor verde e translúcida é derivada de pigmentos minerais, lembrando a fotossíntese.

A preocupação em criar um produto totalmente sustentável, fez com que McCurdy e Lim utilizassem como base uma fibra de celulose chamada SeaCell, derivada de algas marinhas e bambu. Contas de madrepérola foram fixadas entre as lantejoulas para dar um brilho refletor.

Green future

Não há intenção de comercialização desse vestido, além dos modelos personalizados já encomendados. McCurdy pretende torná-lo apenas uma “versão conceitual”, que remete à visão de um futuro com emissões zero.

A ideia é que aconteça semelhante ao que ocorreu com os painéis solares e carros elétricos, que antes eram artigos super de luxo e hoje quase competem com os convencionais, esperando que em um futuro próximo o consumidor consiga impor no mercado as regras da sustentabilidade.

Para atender às necessidades de consumo sustentável, a indústria da moda está repaginando suas peças com versões ecológicas, sem deixar que fiquem menos atrativas aos olhos dos consumidores.

O vestido ecológico feito com lantejoulas de algas é lindo e parece ter um ótimo caimento, só é uma pena que trata-se apenas de uma versão limitada.

©Dezeen

De qualquer forma, a mensagem que deve ficar é a de desconstrução de uma indústria descartável e altamente poluente como é a industria da moda. A gente não pensa mas, brilhos, lantejoulas e tecidos sintéticos poluem rios e mares a cada lavagem.

Não precisamos disso! Tampouco precisamos fazer do green um artigo de luxo, elitizando o ecologicamente correto.

A simplicidade está em alta e ela pode custar pouco, ou zero. Pense nisso!

Talvez te interesse ler também:

Mundo pós-pandemia: “A semana de moda acabou”, declara a Gucci

Barato ao bolso, caro ao meio ambiente: jovens recusam a moda descartável provocando crise no setor

Moda Vegana: Vestuário Sustentável, Sem Exploração e Cruelty-Free

A moda descartável está enchendo o planeta de lixo têxtil: jogamos 811% mais roupas do que em 1960

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *