Boto-vermelho entra na lista vermelha da IUCN

  • atualizado: 
Boto-vermelho

Uma notícia preocupante para o Brasil e para o mundo foi anunciada pela União Internacional para Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN): o boto-vermelho entrou para a lista vermelha de animais em perigo de extinção.

A IUCN publicou em novembro o alerta que coloca o boto-vermelho (Inia geoffrensis) a dois passos da classificação de “extinto”. Ele é um dos animais mais importantes da fauna amazônica e vem sendo vítima da caça ilegal para ser usado como isca na pesca da piracatinga (Callophysus macropterus), bem como da captura em redes de pesca acidental, informa o site da AMPA. O boto-vermelho também é conhecido como boto cor-de-rosa, e é o maior dos golfinhos de água doce do mundo.

Outro animal em risco é o tucuxi (Sotalia fluviatilis), o golfinho-daAmazônia, cuja situação encontra-se como “dados insuficientes” na lista. A IUCN valeu-se, para classificar os golfinhos, dos dados de pesquisas do Laboratório de Mamíferos Aquáticos do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), do qual fazem parte pesquisadores brasileiros e estrangeiros.

A pesquisadora Vera da Silva, coordenadora do projeto, conta que o Projeto Boto do Inpa existe há 25 anos. A espécie investigada é está na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Mamirauá.

“Desde 2000 as pesquisas nos mostram que a população de botos naquela região vem reduzindo drasticamente a cada década. A preocupação maior é a velocidade que esta espécie está sendo retirada da natureza, se isso acontece no entorno de uma reserva protegida, modelo na Amazônia, imagine em uma área sem proteção”, alerta a coordenadora.

O boto-vermelho e o tucuxi são ameaçados pela mesma razão: captura direta, captura acidental e poluição dos rios, que contêm poluentes como mercúrio, entre outros. O tucuxi deverá entrar na lista na categoria de ameaça até março de 2019, após ser feita uma revisão do seu processo.

A classificação “em perigo de extinção”, segundo a bióloga, é um alerta para que as espécies sejam conservadas em ações demandadas pelo poder público brasileiro.

Uma dessas ações ocorreu em 2014 para evitar a extinção das populações do boto-vermelho em uma moratória, pelo período de cinco anos, assinada em um acordo entre o Ministério de Meio Ambiente e o Ministério de Pesca e Aquicultura, por recomendação do Ministério Público Federal.

Entretanto, o prazo de cinco anos é insuficiente para a recuperação das espécies. Silva explica que:

“para a moratória não ser renovada os órgãos responsáveis pela pesca na região terão que provar que a pesca a piracatinga não envolve os golfinhos da Amazônia nessa atividade e que encontraram uma solução para que o boto-vermelho não seja utilizado com isca”.

Se você quiser contribuir para a sobrevivência dessa espécie, acesse aqui a Campanha Alerta Vermelho da AMPA – Associação dos Amigos do Peixe-boi.

Abaixo um vídeo com cenas fortes sobre a matança do boto-vermelho na Amazônia. Não recomendado para pessoas sensíveis, mas fica como um alerta sobre a importância de preservar.

Talvez te interesse ler também:

DICAPRIO SALVA OS TIGRES DO NEPAL: POPULAÇÃO EM DOBRO DESDE 2009

LÊMURES DE MADAGASCAR: DAQUI A POUCO NÃO SOBRARÁ MAIS NENHUM DELES

ARIRANHA: ESTA ESPÉCIE NATIVA QUASE EXTINTA ESTÁ DE VOLTA AO AMAZONAS

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!