É por isso que você nunca deve chupar a cabeça do camarão e de outros crustáceos

É por isso que você nunca deve chupar a cabeça do camarão e de outros crustáceos

No Natal e no Ano Novo, muitas pessoas costumam preparar camarões, lagostas e outros crustáceos para a ceia especial. No entanto, a agência espanhola de assuntos do consumidor, segurança alimentar e nutrição (AECOSAN) está alertando: evite o conteúdo das cabeças.

A AECOSAN, agência que se reporta diretamente ao Ministério da Saúde espanhol, recomenda limitar a ingestão das cabeças de crustáceos, pois nelas acumula-se cádmio. Esta substância contamina a carne destes animais, localizada principalmente na cabeça. Evitar o consumo reduz consequentemente a exposição a esse metal, que é tóxico para o nosso corpo, principalmente para os rins.

A AECOSAN alerta que o cádmio também pode causar desmineralização óssea, direta ou indiretamente, devido à disfunção renal que causa. Após exposição prolongada, “pode levar à insuficiência renal e, a longo prazo, ao câncer”, de acordo com relatórios da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), que classificou o cádmio como agente de categoria 1 (carcinogênico para o homem).

O cádmio tem muitas aplicações industriais e também é usado em fertilizantes, nem precisa dizer que sua liberação no ambiente aumentou precisamente por causa do homem. O problema desse metal é que, embora sua absorção no sistema digestivo seja baixa, ele tende a se acumular no corpo, principalmente no fígado e nos rins, por um tempo estimado de 10 a 30 anos.

No caso dos crustáceos, o teor máximo estabelecido se aplica à “carne branca” dos apêndices e abdômen, com exceção dos caranguejos. A presença de cádmio nessas partes dos crustáceos é considerada “baixa”.

No entanto, em alguns países europeus, incluindo a Espanha, além da parte “branca”, outras partes dos crustáceos também são consumidas, como cabeças de camarão, lagostas, etc, cujos níveis de cádmio são altos porque o cádmio se acumula principalmente no hepatopâncreas, que faz parte do sistema digestivo dos crustáceos e é encontrado precisamente na cabeça.

Por conta disso, a Direcção-Geral da Saúde e Defesa do Consumidor da Comissão Europeia (DG SANCO), publicou também uma nota informativa sobre o cádmio presente nos crustáceos, instando os Estados-Membros que têm um consumo elevado deste alimento, a formularem suas recomendações de consumo, devido ao alto teor de metais pesados ​​contidos em algumas partes desses animais.

Talvez te interesse ler também:

Por que a carne de frango é a mais nojenta de todas?

Carne de porco: pense bem antes de comê-la

A dieta da saúde planetária que reduzirá emissões, alimentará 10 bilhões de pessoas e salvará 11 milhões de vidas por ano

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *