Brócolis, Repolho e Couve Contra o Câncer de Intestino

  • atualizado: 
Brócolis e Couve

Os vegetais crucíferos entraram no cardápio de muitas pessoas preocupadas em adotar uma alimentação saudável. Na lista dos crucíferos estão brócolis, agrião, couve-flor, couve manteiga, repolho, nabo, entre outros.

Esses vegetais contêm substâncias chamadas sulforafano, um fitonutriente capaz de neutralizar as células cancerígenas e ajudar na prevenção e tratamento de doenças degenerativas.

Os vegetais crucíferos são bons para o intestino por causa das fibras. Mas o que cientistas acabam de descobrir é que eles podem reduzir o risco de câncer no intestino.

Uma equipe do centro de pesquisa biomédica do Francis Crick Institute, em Londres, descobriu que os crucíferos, ao serem digeridos, produzem substâncias químicas anticancerígenas.

O estudo, que foi feito em camundongos, investigou a capacidade das verduras e legumes crucíferos alterarem o revestimento intestinal, a partir da análise, também, de miniaturas de intestinos criadas em laboratório.

A superfície do intestino se regenera, assim como a pele, em um processo que dura de quatro a cinco dias. Essa renovação precisa ser controlada com rigidez para que não se desenvolvam um câncer ou uma inflamação intestinal.

É aí onde entram os vegetais crucíferos: eles são vitais nesse processo de regeneração.

O estudo, publicado na revista científica Immunity, mostra que substâncias químicas presentes em vegetais crucíferos são fundamentais nesse processo regenerativo. Uma das substâncias investigadas chama-se Indol-3-Carbinol (I3C), que é produzida a partir da mastigação dos alimentos crucíferos.

Por isso, a pesquisadora Gitta Stockinger recomendou à BBC não cozinhar demasiado esses alimentos. O I3C, à medida que passa pelo sistema digestivo, é modificado pelo ácido gástrico. Dentro do intestino, ele pode modificar as células-tronco, cujo papel é regenerar o revestimento intestinal, e as células imunes, que inibem as inflamações.

Uma alimentação rica em Indol-3-Carbinol mostrou proteger os ratos do câncer, mesmo naqueles com genes indicadores de risco de desenvolver a doença. Já em uma dieta pobre em I3CS, as células do intestino começaram a se dividir de forma descontrolada.

O câncer de intestino pode demorar para ser identificado. Por isso, estar atento aos seus sintomas é muito importante. São eles:

  • sangue nas fezes
  • alterações nos hábitos intestinais, como ir ao banheiro com mais frequência
  • dor na barriga, inchaço ou desconforto

Stockinger explicou que, quando a dieta dos camundongos com tumores foi trocada para uma mais apropriada, os tumores deixaram de progredir.

Essas descobertas, para a pesquisadora, são causa de muito otimismo para a comunidade científica. Ela mesma reduziu a ingestão de carne e aumentou o consumo de legumes e verduras.

Essa motivação, provocada pelo estudo, deve-se à comprovação de que “os mecanismos moleculares desse sistema funcionam”, explica a pesquisadora. Isso porque o estudo sugere que a fibra dos vegetais ajuda a reduzir o risco de câncer de intestino, bem como as moléculas presentes neles.

O estudo agora precisa a ser feito em seres humanos para comprovar a sua eficácia nesse grupo. Mas, de qualquer forma, bons motivos para seguir comendo legumes e verduras não faltam! Principalmente os crucíferos!

Talvez te interesse ler também:

setaCOUVE-FLOR E BRÓCOLIS: DOIS VERDADEIROS ALIMENTOS ANTICÂNCER

setaCÂNCER DA CABEÇA E PESCOÇO: EXTRATO DE BRÓCOLIS PODE PREVENIR

setaBRÓCOLIS – POR QUE VOCÊ DEVERIA COMER COM MAIS FREQUÊNCIA

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!