Alerta OMT: crise provocada por coronavírus vai gerar milhões de desempregos

Alerta OMT: crise provocada por coronavírus vai gerar milhões de desempregos

São e serão inúmeras as crises geradas pela pandemia do novo coronavírus.

Uma delas diz respeito às questões da empregabilidade. Antes mesmo do Covid-19, a precarização das relações de trabalho já era uma realidade com a qual milhões de pessoas em todo o mundo já lidavam.

Segundo a Organização Mundial do Trabalho (OMT), as consequências sociais da crise da saúde deverão ser ainda mais graves que a crise econômica de 2008, informa o jornal italiano La Repubblica.

Um estudo realizado pela OMT com governos, sindicatos e organizações trabalhistas de 187 países revela que a pandemia deverá acarretar cerca de 25 milhões de desempregados em todo o mundo, deixando pior um cenário que já era péssimo: em 2019, foram registrados 188 milhões de desempregados.

Setores mais afetados

Os setores que mais sentirão os efeitos do desemprego serão o turismo, o transporte e a indústria automobilística, esclarece Guy Ryder, diretor-geral das Nações Unidas.

“Será um teste de proporções perturbadoras, muito pior do que o de 2008”, prevê.

As economias capitalistas ocidentais serão as mais afetadas pela crise, visto que deixarão de lucrar 3100 bilhões de euros até o final deste ano.

Vamos viver uma era de pauperização generalizada, cujo resultado será a diminuição em consumo e serviços, o que provocará um efeito cascata, ao impactar as empresas e as economias nacionais.

Entre 8 e 35 milhões de pessoas se enquadram na categoria dos chamados “trabalhadores pobres” (que ganham menos de 2,90 euros por dia, cerca de 17 reais).

Ryder é categórico sobre esse cenário:

“Tomando o exemplo do que aconteceu em 2008, é imperativo proteger os salários dos funcionários e tentar economizar empregos”.

Vivendo na informalidade

Mas o que dizer sobre e para aqueles que vivem da informalidade, como é o caso de uma parcela enorme da população mundial? O que dizer, por exemplo, a Ana María Reymundo, de 88 anos, que ouviu Nayib Bukele, presidente de seu país, El Salvador, recomendar que as pessoas ficassem em casa para conter o Covid-19?

“Eles não querem que você saia para trabalhar, mas eu não tenho uma pensão. E como vou fazer, se não saio para vender, não como ”.

Conforme divulgou o site Manualidades Fáceis, Ana María vende cestas plásticas no Centro Histórico da capital de El Salvador. O que vende compõe a sua única renda. Essa condição é a mesma enfrentada por milhões de brasileiros, sobretudo, após a aprovação da reforma trabalhista pelo Congresso nacional, que deixou ainda mais em situação de vulnerabilidade social os trabalhadores do país.

O modelo econômico neoliberal que assola os Estados Unidos e tantos países latino-americanos está deixando mais evidente a desigualdade social e a falência dos Estados que o adotaram.

Talvez te interesse ler também:

Líder comunitário das favelas alerta que governo está ignorando os pobres diante da pandemia

Coronavírus: ‘a situação não está sob controle’, admite Trump. Reino Unido também muda estratégia

‘Um vírus matará milhões de pessoas’, disse Bill Gates em 2015

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *