Veja porquê todos deveríamos trabalhar só 4 dias por semana

  • atualizado: 
trabalhar só 4 dias

Trabalhar menos mas ter a mesma satisfação profissional, assim como o mesmo ganho financeiro. Esse é provavelmente o sonho de todos nós e, de acordo com alguns especialistas, devemos apontar para uma sociedade onde se trabalhe apenas 4 dias por semana pois isso traria muitos benefícios em termos de saúde, mas também em termos econômicos e ambientais. Vejamos como!

Quem tem a sorte de ter um emprego, querendo ou não, geralmente gasta demasiado tempo e energia com ele. Não apenas durante as horas semanais habituais, mas também com horas extras que, muitas vezes, sequer são pagas.

O excesso de trabalho pode causar grandes danos à saúde, além de depressão e ansiedade. É acima de tudo o estresse ligado ao excesso de trabalho o que geralmente traz sérias consequências à saúde, como o aumento do risco de desenvolver problemas como de pressão arterial alta, tão perigosa para o coração e a vida.

Entre tantas outras coisas, trabalhar durante muito tempo faz o funcionário beber mais café e mais bebidas alcoólicas (happy hour), aumentando ainda mais o risco de desenvolver patologias sérias.

Na Grã-Bretanha alguns especialistas vêm pensando então, na possibilidade de se ter uma semana feita de apenas 4 dias úteis, de como isso poderia melhorar a saúde das pessoas e não só.

De acordo com as considerações feitas por Owen Jones nas páginas do The Guardian, devemos nos esforçar para imaginar uma sociedade na qual não exista mais, nem desemprego, nem problemas de saúde ligados ao excesso de trabalho, como as doenças mentais e a hipertensão.

Devemos imaginar uma sociedade em que possamos aumentar a produtividade e ao mesmo ajudar o meio ambiente. Onde tenhamos mais tempo para nos dedicarmos à família incentivando também os homens a se dedicarem mais às tarefas domésticas e, em geral, aumentando a probabilidade de as pessoas estarem mais felizes e satisfeitas com suas vidas.

E tudo isso poderia se tornar realidade se tivéssemos a semana composta de apenas 4 dias úteis de trabalho.

Isso pelo menos é o que acredita o especialista em saúde pública, John Ashton e o Autonomy Institute, grupo inglês independente que se dedica na criação de novas chaves e propostas concretas sobre o "trabalho" com o objetivo de mudar a perspectiva das pessoas para que todos possam trabalhar menos e melhor.

De fato, hoje em dia há uma distribuição insalubre no mercado de trabalho: aqueles que estão empregados, trabalham exageradamente e estão a pagando consequências nefastas para a saúde e para o equilíbrio familiar, enquanto outros trabalham pouco, ou nada, e desejariam trabalhar mais.

Uma semana de trabalho mais curta, ajudaria a redistribuir o tempo bem como a pagar de maneira mais equilibrada a população.

E as vantagens de uma semana de trabalho mais curta não termina aí: ela poderia até mesmo ajudar a combater a mudança climática. Como observou o New Economics Foundation, os países que possuem uma semana de trabalho mais curta são mais propensos a terem uma pegada de carbono menor. E a economia poderia se beneficiar disso: considere, por exemplo, que os alemães e os holandeses trabalham em média menos que a maior parte dos outros funcionários do mundo e ainda assim as economias deles são mais fortes que a nossa.

A produtividade, por incrível que pareça, também pode aumentar com uma redução dos dias úteis da semana: a experiência sugere que aqueles que trabalham menos de seis horas por dia são mais produtivos, acumulam menos estresse e, portanto, estão mais focados no trabalho. De fato, um experimento recentemente efetuado em uma jornada de trabalho de seis horas em uma casa de repouso sueca, produziu resultados promissores: maior produtividade e menos dias de doença. Também deve ser considerado que, se os ganhos da produtividade forem transferidos para o pessoal, trabalhar menos horas não significa necessariamente redução nos salários.

Os benefícios também seriam em termos de igualdade de gênero. Apesar dos progressos realizados ao longo dos anos, as mulheres continuam a fazer, em média, 60% a mais de trabalho doméstico não remunerado do que os homens. Uma semana de quatro dias também pode ser útil para promover a igualdade entre os homens e as mulheres. Uma campanha poderia servir para encorajar os homens a usarem o tempo de lazer obtido com a redução das horas para dividir as tarefas de maneira equitativa.

Resumindo, portanto, uma semana de trabalho de quatro dias poderia trazer os seguintes benefícios:

Reduzir a taxa de desemprego
Funcionários mais produtivos
Menos estresse e melhor estado de saúde
Economia mais forte
Menor pegada de carbono
Mais igualdade entre homens e mulheres
Mais tempo para familiares e amigos

Que tal? Dá pra imaginar uma vida onde você possa trabalhar apenas 4 dias por semana e onde a quinta-feira se transforma em sexta-feira? Tudo de bom, não é mesmo?