Responsabilidade afetiva: a transparência é fundamental para o sucesso das relações

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”, diz a raposa ao Pequeno Príncipe, na obra homônima de Antoine de Saint-Exupér, em uma das passagens mais citadas do livro. Estamos falando de responsabilidade afetiva. Mas até que ponto uma pessoa pode ser responsável pelo sentimento do outro?

De certo, não somos obrigados a retribuir o amor do outro se não o sentirmos. Não somos obrigados a retribuir tampouco a amizade e outros sentimentos. O controle sobre o pensamento e o sentimento do outro é algo, de fato, fora da nossa capacidade humana.

Se não podemos entrar na cabeça das pessoas para que elas tenham ou não apreço por nós, como podemos falar sobre responsabilidade afetiva?

O que você sente por mim é problema teu!

E é aí que entra uma grande discussão filosófica que engloba conceitos de amor, moral e ética. E para elucidarmos esses conceitos vamos citar o querido Clóvis de Barros Filho, advogado e professor de ética da USP.

O professor ensina que moral é aquilo que fazemos sem que ninguém esteja nos vendo, ou seja, a moral é um conceito individual que responde ao que é certo ou errado para si mesmo. Já a ética é um conceito aberto, vivo, que tenta resolver problemas de relação entre duas ou mais pessoas. A ética é, nas palavras do professor Clóvis, “a vitória da convivência sobre os interesses particulares”.

Em uma relação (amorosa, de amizade ou de trabalho que seja) a tua moral pode ser diferente da ética que você, tacita ou explicitamente, acordou com os outros.

Talvez o problema da falta da responsabilidade afetiva – que sentimos por aí com queixas do tipo “a pessoa não respeitou os meus sentimentos”, enquanto o outro tem na ponta da língua um “o que você sente por mim é problema teu” – tenha a ver com a nossa falta de conhecimento sobre alguns conceitos básicos da vida, tais como o que é amor, o que é ética e o que é moral.

Transparência é fundamental

O amor é um conceito vago que precisaria ser aprofundado para que não se sofra por ideias que se tenha sobre ele. Ocorre muitas vezes que não amamos o objeto do amor em si, mas a ideia que fizemos do objeto amado.

E a ideia que fizemos do outro tem muito a ver com a transparência, ou o cinismo, com o qual o outro se apresenta para nós.

É aí que mora a responsabilidade afetiva. Se é verdade que não somos responsáveis pelo o que os outros sentem por nós, é também verdade que muito do que os outros sentem, vem da ideia que passamos sobre nós a eles.

Dado que não é possível que alguém entre em nosso ser para sentir o que sentimos, e saber o que de fato somos, o que nos resta é ser o mais transparente possível nas relações, porque as pessoas se relacionam conosco através da ideia daquilo que elas fizeram de nós.

Apesar de não podermos controlar a ideia que fazem da gente, é preciso ter consciência de que o nosso comportamento é a matéria-prima que fornece a ideia do que somos às pessoas.

Portanto, bastaria ser sincero, transparente, para diminuir os danos nas relações. Diminuir, não evitar, porque relações humanas são complexas e exatamente por isso a transparência é fundamental para tentar reduzir os danos causados pelos disse-não-disse.

Canalhice

Contudo, muita gente não quer ser sincera, muita gente é ambígua propositadamente. Muita gente sente prazer em se vender de um jeito que não é para ganhar aplauso, confete e serpentina.

Ter responsabilidade afetiva é ter consciência do desprazer em causar sofrimento a alguém. É ter isso como valor moral e agir eticamente através da sinceridade para reduzir danos:

“A ética é a vitória da convivência sobre a canalhice”, ensina o professor Clóvis, “uma sociedade eticamente preparada deve estar preparada para enfrentar o canalha”.

E para finalizar, deixamos um trecho de uma palestra do professor para se aprofundar sobre os temas do amor, da ética e da moral, pois estas reflexões valem muito a pena para enfrentarmos esse momento de irresponsabilidade afetiva que, ao que parece, vem assolando a humanidade.

https://www.youtube.com/watch?v=6x-obSJcf2E

Talvez te interesse ler também:

Tá difícil esquecer o ex? A ciência não traz o amor de volta, mas ajuda a superar a perda

Reclamar demais pode ser ou virar doença e, como um vírus, contagia os outros

O conto budista que nos ensina a superar o medo, para voar e ser feliz

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É redatora-chefe e co-founder de GreenMe Brasil.

Veja Também

Positividade tóxica: “nunca desista” e outras frases que fazem mais mal do que bem

Sabe aquela coisa do pensamento positivo sempre? Pois é, muitas vezes não funciona. Hoje vamos …