O conto budista que nos ensina a superar o medo, para voar e ser feliz

Quantas vezes pensamos que precisamos mudar algo em nossas vidas que não vai bem, e procrastinamos, por medo do novo? Ficamos só teorizando, sonhando e nada de colocar mudanças em prática!

Não basta sonhar! Para os nossos sonhos se tornarem realidade, é necessário ter ação. Ficamos justificando nosso comodismo e medo de mudar com argumentos como: agora não dá, deixa para amanhã, ainda não é o momento, preciso de mais um tempo

O amanhã nunca chega, e sempre falta tempo.

Estes argumentos refletem nossas inseguranças para lidar com o novo, por isso, não abdicamos de nossa zona de conforto com nossas manias, vícios e necessidade de controle.

Mesmo estagnados, entediados e vivendo uma realidade insatisfatória, temos a tendência a ficar apegados à mesmice porque tememos a mudança pois, a rotina nos dá a ilusória sensação de estabilidade.

Para ilustrar todas essas questões segue um pequeno conto budista.

“O falcão que não queria voar”

Um rei recebeu dois falcões como presente e os deu ao mestre da falcoaria para treiná-los.

Depois de alguns meses, o instrutor disse ao rei que um dos falcões estava treinado e pronto, porém não sabia o que estava acontecendo com o outro falcão.

Desde que o outro falcão havia sido trazido ao palácio, ele não havia saído do galho, nem para comer.

O rei chamou curandeiros e especialistas em aves, mas ninguém conseguiu ajudar o pássaro a voar.

Depois disso, o rei emitiu aos súditos um decreto oficial proclamando uma recompensa para quem conseguisse ajudar o falcão a voar.

Na manhã seguinte, o rei viu o falcão voando em seus jardins.

“Traga-me o autor deste milagre”, ordenou.

Um simples camponês apareceu diante do rei e o governante perguntou-lhe:

– Como você conseguiu ajudar o falcão a voar? Você é um mago?

E o camponês respondeu:

-Não foi difícil! Cortei o galho onde ele ficava e, então, o pássaro não teve outra alternativa senão de levantar voo e, assim, ele percebeu que tinha asas e voou para longe!

O que esse conto nos ensina?

Cada um de nós, assim como o falcão, permanece imóvel no galho dos condicionamentos sociais. Porém, a existência e a natureza não seguem o sistema da sociedade e nos trazem o imprevisível e o inesperado. Nesses momentos, surgem os acontecimentos fora do nosso controle que nos impelem a voar, nos ensinando que somos muito mais capazes do quanto imaginávamos.

Talvez te interesse ler também:

Inveja branca não existe. Existe a cobiça que pode ser positiva. Veja as diferenças!

Quando me amei de verdade: a belíssima poesia (não) de Charles Chaplin

Positividade tóxica: a vida nem sempre é uma festa!

Professora, alfabetizadora, formada em História pela Universidade Santa Cecília, tem o blog A Vida nos fala e escreve para GreenMe desde 2017.
Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Instagram
Siga no Facebook