Anvisa autoriza a venda de melatonina em farmácias no Brasil 

Anvisa autoriza a venda de melatonina em farmácias no Brasil 

Conhecida como hormônio do sono, a melatonina atrai muitas pessoas que têm distúrbios ou sofrem com dificuldades para dormir com qualidade. Agora a melatonina ganhou autorização para ampla comercialização no país.

O hormônio é responsável por regular as atividades químicas do corpo humano, induzindo ao repouso e regulando o relógio biológico, bastante indicado para pessoas que trabalham de madrugada ou que viajam para países com fuso horário diferente do que estão habituadas.

Como a melatonina funciona

A melatonina é o “hormônio da noite”, sendo naturalmente produzida pelo corpo quando estamos no escuro, e se relaciona aos ritmos e aos ciclos de vigília (estar acordado) e do sono. Ou seja, consegue atuar no ritmo do corpo e indicar quando é a hora de dormir.

No corpo, o hormônio reduz: 

  • Atividade cardiovascular;
  • Pressão;
  • Frequência cardíaca;
  • Produções de glicose e insulina, induzindo todas as modificações necessárias para o repouso – como a sonolência, jejum, temperatura corpórea etc).

Anvisa autoriza a venda em farmácias

Autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em outubro de 2021, a melanina passará a ser vendida nas farmácias brasileiras como suplemento alimentar.

Farmácias de todo o país já fizeram o pedido às fabricantes e se preparam para as vendas do produto, que não necessita de receita médica. No entanto, é válido consultar um médico para verificar se o suplemento realmente atende às suas necessidades e não fazer o uso indiscriminado do hormônio.

Para quem a melatonina é indicada

A decisão da agência determina que o produto deve ser usado por pessoas com mais de 19 anos de idade e em doses que não ultrapassem as 0,21 mg por dia. O fármaco é mais indicado à pessoas idosas (acima de 60 anos), na qual a produção de melatonina costuma ser menor – chegando a ser 25% mais baixa.

Também é observada a redução do hormônio em mulheres no período menstrual e àqueles que passem por estímulos visuais prolongados – muito comuns no período de pandemia com o home-office e a quarentena, por exemplo – também podem sofrer alteração na produção da melatonina.

A Anvisa também recomenda que pessoas com doenças ou que façam uso de medicamentos controlados consultem um especialista antes de ingerir melatonina.

Já grávidas, lactantes e crianças não devem consumir a substância em formato de suplemento.

Talvez te interesse ler também:

Melatonina: outros usos além da insônia e distúrbios do sono

Melatonina e sono: usos, dosagem e efeitos colaterais

ÁGUA DE MELISSA trata Insônia e Ansiedade. Veja como fazer em casa

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *