Seletividade alimentar e importância da alimentação no tratamento do autismo

  • atualizado: 
alimentação-autismo

Você também tem a impressão de que os casos de autismo estão em expansão no Brasil e no mundo? Como lidar com esse problema que requer cuidados tão especiais, inclusive em termos de alimentação? Como alimentar bem uma pessoa que tem seletividade alimentar e come pouquíssimas coisas? Vamos entender melhor este fenômeno e como tratar o autismo da maneira mais tranquila e eficaz possível. 

Segundo o pesquisador Alysson Muotri do Departamento de Pediatria e Medicina Molecular, da Universidade da Califórnia em San Diego, uma das autoridades no assunto, um aumento no número de casos de autismo não indica, necessariamente, que mais pessoas estejam desenvolvendo a doença.

Atualmente, o diagnóstico da síndrome é mais eficaz e abrange casos leves, o que não acontecia antes. Além disso, há o aumento populacional, que deve ser considerado, e uma maior conscientização sobre a distúrbio.

No entanto, é importante ficar atento aos sinais que podem indicar um quadro de autismo. Uma vez diagnosticado, uma medida essencial é cuidar da alimentação do autista. Isso pode ser essencial para um tratamento eficaz.

Confira abaixo como os alimentos podem ajudar no controle da síndrome. Antes vamos entender melhor essa síndrome.

O que é autismo

O autismo é uma síndrome caracterizada por distúrbios sociais, motores e de comunicação. Geralmente é diagnosticado nos primeiros anos de vida, e tem um quadro clínico variado, o que levou os estudiosos a classificarem como Transtorno do Espectro Autista (TEA).

A prevalência mundial do autismo é de 15 a 20 casos para cada 10 mil pessoas. As causas da síndrome ainda são desconhecidas, mas existe um fator genético e ambiental importante. Problemas de gestação, por exemplo, como complicações durante o parto e ocorrência de rubéola na gravidez, podem estar entre as causas da TEA.

O autismo não tem cura, mas quanto antes o diagnóstico for feito, maiores as chances de que o autista consiga ter maior qualidade de vida e um tratamento mais assertivo.

Principais sintomas do autismo

O autismo tem uma gama grande de sinais, e o diagnóstico ainda é puramente clínico. No entanto, alguns dos sintomas mais característicos são:

  • Dificuldades ou inabilidade de interagir com outras pessoas;
  • Não fazer contato visual;
  • Ter comportamentos repetitivos e manias;
  • Sofrer muito com mudanças na rotina;
  • Ter comportamentos inapropriados;
  • Resistir ao contato físico.

Quanto aos sinais físicos, também é possível destacar alguns:

  • Autistas, geralmente, têm um histórico de alergias e infecções;
  • Costumam ter problemas intestinais, podendo apresentar abdômen distendido e inchado, além de mau hálito e fezes com aparência mucosa, de coloração variando entre amarelo, esverdeado e avermelhado;
  • Podem ter sinais de subnutrição, tendo em vista as dificuldades que enfrentam na alimentação.

O papel da alimentação no tratamento do autismo

É importante que a alimentação do autista receba atenção especial, pois ela pode influenciar diretamente no tratamento.

É comum que exista uma dificuldade no organismo do autista em processar determinados alimentos. Além disso, a maioria dos autistas possui alta incidência de bactérias ruins no intestino, o que provoca um desequilíbrio no corpo. Por isso, as alergias, má absorção de nutrientes e inflamações podem ser bem mais comuns em tais pacientes.

Os estudos que mostram o papel da alimentação no tratamento do autismo ainda são novos, mas já se sabe que a retirada de determinados alimentos, como trigo, soja e leite, pode ajudar na terapêutica. Isso acontece por que a má absorção de tais itens provoca uma fragmentação de proteínas no intestino, que caem na corrente sanguínea e vão parar no sistema nervoso central. Tais substâncias têm ação parecida com o do ópio no organismo do autista, levando a uma maior falta de concentração e isolamento.

Outro item que pode atrapalhar o tratamento é o corante utilizado em diversos alimentos industrializados. Já se sabe que eles estão associados à hiperatividade e devem ser evitados, principalmente nos quadros de autismo.

Entre os alimentos que ajudam é possível destacar os probióticos, que reequilibram o trânsito intestinal e o Ômega 3, presente nos peixes e nozes, que melhora a concentração e aprendizado.

Seletividade alimentar

Autistas enfrentam ainda um outro problema no quesito alimentação: a seletividade alimentar porque eles geralmente têm comportamentos seletivos e cheios de rituais, o que atrapalha na alimentação.

Geralmente essa relutância está associada a uma intensa sensibilidade sensorial, principalmente por causa da textura. Mas há também bastante dificuldade de parte deles de experimentarem coisas novas. Um outro fator importante é que, em alguns casos, há um atraso nas habilidades motoras, que pode provocar maior dificuldade na mastigação, além das dificuldades gastrointestinais que grande parte deles enfrenta.

A seletividade alimentar no caso dos autistas pode ser bem acentuada, a depender do caso. Uma pesquisa feita pela University of Massachusetts Medical School mostrou um índice de 41.7% de recusa alimentar no caso dos autistas, enquanto crianças com desenvolvimento típico apresentaram taxa de 18.9% nesse quesito.

O que fazer para ajudar a criança autista a se alimentar melhor

O incentivo à uma alimentação saudável deve ser uma regra, independentemente do quadro clínico, mas os autistas podem ser beneficiar muito de uma mudança na alimentação. Por isso existem algumas medidas que podem ajudar:

  • Reduza o consumo de alimentos industrializados, ricos em corantes e aditivos, e prefira sempre alimentos naturais e orgânicos;
  • Evite neuroestimulantes, como café, guaraná e chocolate, além do açúcar;
  • Consulte um especialista para verificar uma possível retirada de certos alimentos, como trigo, leite e soja;
  • Evite produtos com Bisfenol A (BPA) que têm potencial cancerígeno, e está presente nas embalagens de plástico;
  • Faça da hora da refeição um momento de estar com seu filho, sem uso de eletrônicos, como a TV;
  • Incentive-o a ajudar na cozinha, seja preparando a mesa ou ajudando a lavar verduras e frutas ou deixando com que ela escolha os talheres e copos que pretende usar;
  • Não force a criança a aceitar novos alimentos, mas sempre tente oferecer itens variados;
  • Tenha uma rotina sólida para a hora da refeição;
  • Incentive a criança a ser independente durante a alimentação.

Mitos e verdades sobre a alimentação do autista

Existem muitas novas pesquisas a respeito do assunto, mas é importante lembrar que cada criança é única e existem muitos mitos relacionados ao tema.

Evite cortar alimentos da dieta, antes de consultar um especialista, pois não necessariamente o autista é celíaco ou tem alergia ao leite. Embora o consumo de tais alimentos possa agravar o quadro, isso não é uma regra. Cortar tais itens não significa também que o quadro vai melhorar.

O mais importante é contar com um tratamento multidisciplinar, dar especial atenção à alimentação, preferindo itens saudáveis e investindo em variedade. E, principalmente, respeitar a criança, e investir em melhorar a qualidade de vida dela.

Talvez te interesse ler também:

É VERDADE QUE METADE DAS CRIANÇAS TERÃO AUTISMO ATÉ 2025, POR CAUSA DOS AGROTÓXICOS?

AUTISMO: EM 83% DOS CASOS É GENÉTICO. O MAXI ESTUDO EFETUADO EM GÊMEOS

ABC AUTISMO: O APP AUXILIA NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE DESENVOLVIMENTO

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!