Para evitar a dengue: controle do vírus na reprodução natural do inseto

  • atualizado: 
dengue

Uma capital brasileira participará de um projeto do qual será a primeira em que o Aedes aegypti será bloqueado pelo vírus da dengue circulando no ar.

A partir de 15 de abril, Campo Grande lançará o projeto de pesquisadores da Fiocruz (Instituto Oswaldo Cruz), segundo anúncio feito pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Conforme informado pelo Correio do Estado, outras cidades também receberão o projeto, como Belo Horizonte e uma terceira, que ainda está em fase de seleção. Em 2016, os resultados dos primeiros testes foram feitos em cidades do estado do Rio de Janeiro e demonstraram que o controle deve se basear na reprodução natural do inseto.

O projeto consiste em usar um mosquito infectado pela bactéria Volbaquia, que é responsável por bloquear a transmissão do vírus da dengue pelo Aedes aegypti. Mandetta explicou que:

“Isto consiste em pegar os mosquitos, que são os mosquitos da dengue, vamos dizer, do bem e soltá-los no meio ambiente. Eles vão cruzar com os mosquitos que transmitem [a dengue] e não nascerão mais mosquitinhos”.

A fêmea infectada repassa a bactéria para os filhotes, os quais nascem já incapazes de serem transmissores de doenças.

A bactéria Volbaquia é inofensiva para a saúde humana e, embora esteja presente em 70% dos insetos, não ocorre naturalmente no mosquito da dengue. A Volbaquia vive dentro das células do hospedeiro, logo, quando o inseto morre, ela também morre.

Vacina

Além desse método, a vacina contra a dengue está em fase final de teste no Instituto Butantã. De acordo com o ministro, a vacina é capaz de englobar os quatro tipos de vírus.

Essas ações de combate à dengue são parte de programas do SUS (Sistema Único de Saúde), que, conforme ressaltou Mandetta é um “sistema que muitas vezes as pessoas acham que não é utilizado para pesquisa”.

Tentativas de combate ao mosquito

Com os surtos de dengue que ocorrem anualmente pelo Brasil, várias estratégias são idealizadas e colocadas em prática para combate o mosquito Aedes aegypti. 

Uma delas partiu da Prefeitura de Piracicaba, que criou um projeto-piloto para combater a dengue que consiste em lançar no meio ambiente uma “versão” do mosquito geneticamente modificado, que não pica e nem transmite a dengue, o “Aedes do Bem”, como também foram apelidados.

Entretanto, o Ministério Público do estado de São Paulo solicitou a suspensão do programa e instaurou um inquérito para apurar maiores detalhes sobre o projeto-piloto da prefeitura, já que a manipulação genética de mosquitos pode gerar riscos ambientais e de saúde pública.

É fundamental que pesquisas e ações públicas eficazes e que não ofereçam riscos sejam realizadas. Mas cada um também deve fazer, também, a sua parte

Talvez te interesse ler também:

PROPAGAÇÃO DO MOSQUITO E MEIO AMBIENTE: POR QUE É DIFÍCIL COMBATER O AEDES?

MÉTODO SIMPLES E ACESSÍVEL: UNB MOSTRA COMO REDUZIR EM 80% O MOSQUITO DA DENGUE

QUEM BEBE CERVEJA ATRAI MAIS MOSQUITO DA DENGUE

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!