Não apenas sífilis: a AIDS também avança no Brasil e ninguém percebe

Não apenas sífilis: a AIDS também avança no Brasil e ninguém percebe

Não é apenas o número de casos de sífilis que vem crescendo no Brasil; o aumento do HIV também é uma realidade que está passando despercebida pelos brasileiros.

É preciso questionar por que essas duas DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis) estão se espalhando entre a população para poder enfrentar o avanço dessas doenças.

História do HIV no Brasil

Os primeiros casos de HIV (o vírus da imunodeficiência humana) identificados no Brasil ocorreram no início da década de 1980, junto com o boom da epidemia em todo o mundo.

Os avanços científicos, desde então, foram enormes, tanto em prevenção quanto em eficácia do tratamento. O problema que persiste ainda hoje em relação à AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) é acessibilidade da informação sobre a doença e do seu tratamento, bem como pôr fim a estigmas e preconceitos.

A AIDS é a doença do sistema imunológico humano causada pela infecção do vírus HIV. Para conter o avanço deste no organismo, vários medicamentos foram testados até que, de fatal, a AIDS se tornasse uma doença crônica, ou seja, uma enfermidade com a qual o paciente pudesse conviver por toda a vida, desde que sob tratamento.

Aumento da AIDS no Brasil

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (Unaids) revela que houve um aumento de 21% de novos casos da doença de 2010 a 2018 no Brasil, em um momento em que a tendência mundial é a redução do número de casos.

Dados do Boletim Epidemiológico, emitido pelo Ministério da Saúde em relação ao período de 2007 a 2019, registram 300 mil novos casos de infecção no país. As regiões onde a doença mais avança são: Sudeste (45,6% dos casos), Sul (20,1%), Nordeste (18,3%), Norte (8,7%) e Centro-Oeste (7,3%).

O infectologista do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (HU-UFJF), Rodrigo Daniel de Souza, explica a importância das políticas públicas de saúde na redução da transmissão no diagnóstico:

“Vários tratamentos e medidas podem ser feitos para diminuir a transmissão do HIV. Uma das metas de controle do HIV, é a meta 90-90-90, que pressupõe que tenhamos 90% dos pacientes diagnosticados; 90% destes diagnosticados estarem em tratamento; e 90% com carga viral indetectável”.

Prevenção

O método mais eficaz para prevenir a AIDS e qualquer outra DST é a relação sexual protegida, algo que tem sido descuidado por uma boa parte de jovens e adultos brasileiros.

O SUS distribui gratuitamente camisinhas para a população, além de fazer campanhas sobre as formas de contágio do vírus, logo não há desculpa para não usar camisinha durante o ato sexual.

Sobre o diagnóstico, Souza destaca o trabalho do SUS:

“O Ministério da Saúde disponibiliza um teste de avaliação genética do vírus, e assim detectamos as mutações apresentadas. A partir das mutações, é feita a relação de quais remédios não funcionarão em cada caso; dessa forma, podemos escolher o melhor tratamento possível e vamos controlando a carga viral”.

Principais vítimas

Atualmente, não se usa mais a expressão “grupo de risco” para designar as potenciais vítimas do vírus HIV, a fim de evitar o estigma sobre elas. O aumento do número de casos recai, portanto, sobre “populações-chave”, como: profissionais do sexo, usuários de drogas injetáveis, pessoas trans, pessoas privadas de liberdade e gays, de acordo com a classificação da Unaids.

O principal tratamento para controlar a carga viral é levar informação para essas pessoas, sobretudo, para evitar a exposição reiterada ao vírus.

“Alguns grupos de pacientes que se expõem de maneira repetida ao vírus podem tomar uma parte do coquetel chamado PrEP, que é a profilaxia pré-exposição. Eles tomariam esse remédio de forma indefinida, não como tratamento, mas justamente para evitar o vírus. Há, também, a profilaxia pós-exposição, a PEP, para pessoas que foram expostas de maneira desprotegida ao HIV. Nesse caso, o indivíduo pode tomar um coquetel por 28 dias, tentando reduzir a aquisição”, explica o infectologista.

Estigma e preconceito

O preconceito e o estigma são um dos principais dificultadores para o correto tratamento da AIDS e a prevenção do HIV. Culpa, medo, marginalização dificultam que a informação circule.

Não há como combater o vírus e a doença que ele causa sem conscientização. A informação é a melhor arma para impedi-los e, também, evitar o preconceito.

Talvez te interesse ler também:

O bicho do coronavírus: qual animal originou o surto?

China começa a proibir o consumo de carne de cachorro após a epidemia de coronavírus

O direito à morte: Portugal e Espanha a um passo de legalizar a eutanásia

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *