Você sabe como funciona a doação de órgãos?

Você sabe como funciona a doação de órgãos?

A doação de órgãos é um tema muito importante de ser debatido e conhecido, pois ela pode salvar muitas vidas. Nenhum país do mundo consegue atender plenamente a demanda de transplantes de órgãos. O Brasil é um dos países que está numa situação intermediária de doações, em torno de 14 doadores para 1 milhão de habitantes por ano para todo o país. Felizmente, o número de doadores, no Brasil, vem aumentando a cada ano.

O presidente da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos, Roberto Manfro, explica que, para a maioria dos órgãos ser doada, é preciso haver a morte encefálica do doador.

De acordo com Manfro, a falta de informação é uma das principais causas para não haver um número suficiente de doadores. O especialista salienta a importância de as pessoas explicitarem para a família o seu desejo de ser um doador, pois é ela que decide sobre a doação nos casos de morte encefálica, segundo a lei brasileira. O diagnóstico da morte encefálica é absolutamente seguro. A legislação brasileira é muito rigorosa do ponto de vista técnico.

É muito difícil para as famílias optar pela doação quando não é informada pelo parente. Por isso, é tão importante informá-la que você é um doador. A necessidade social dos transplantes é muito importante. No Brasil, há cerca de 30 mil pessoas à espera de uma doação de órgãos.

Manfro explica que a morte encefálica não é o mesmo que o coma. Naquela, os órgãos são mantidos em funcionamento por um determinado tempo às custas de medicação. Antes de diagnosticar a morte encefálica, o médico comprova que não há mais atividade circulatória e que os órgãos são mantidos de forma artificial, diferentemente do coma.

A lei de doação de órgãos é muito séria. O médico que faz o diagnóstico de morte encefálica tem que notificá-lo à secretaria de saúde do seu estado para as devidas providências. Quando a família afirma que o parente é doador de órgãos, aciona-se o órgão responsável. Se não, a equipe médica averigua com a família a possibilidade de doar os órgãos do familiar.

Embora a doação de órgãos ocorra em um momento de perda e, portanto, de dor para a família, falar de doação de órgãos não precisa ser um tabu, já que ela está associada com a vida. Um doador pode salvar ou melhorar a vida de até 10 pessoas. Por exemplo, o fígado pode ser doado inteiro ou pode ser partido, ajudando 2 pessoas com uma só doação.

Em vida, também é possível fazer doação de órgãos. O mais comum é o rim, já que temos dois no nosso organismo. Outro órgão que pode ser doado é o fígado. Embora seja um órgão único, pode ser retirado um pedaço do fígado do pai ou da mãe para ser transplantado em um filho, assim como o pulmão.

Hoje, à medida que a longevidade aumenta, a necessidade de um transplante também cresce. Existe uma longa fila de espera de doação de órgãos. Comunique a sua família do seu desejo de ser um doador. Você pode fazer um grande bem a muitas outras pessoas.

Talvez te interesse ler também:

CONHEÇA 10 ALIMENTOS QUE PURIFICAM O FÍGADO

ÓRGÃOS E EMOÇÕES: A QUE EMOÇÃO CADA ÓRGÃO CORRESPONDE?

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *