Diclofenaco e ibuprofeno estão associados a um maior risco de parada cardíaca

  • atualizado: 
analgésicos

O diclofenaco e o ibuprofeno são medicamentos anti-inflamatórios com ação analgésica e anti-inflamatória. Mas um novo estudo acaba de revelar que esses medicamentos apresentam maiores riscos de enfarto.

A pesquisa, publicada pela revista científica European Heart Journal, revela que tais fármacos usados no combate a dores e inflamações podem afetar a saúde do coração. Aliás, esses dois remédios já haviam sido relacionados a riscos cardíacos:

Leia mais: USO DE ANALGÉSICOS E ANTI-INFLAMATÓRIOS AUMENTAM O RISCO DE PROBLEMAS CARDÍACOS

Mas este estudo, mais recente que o acima linkado, identificou que o uso do ibuprofeno pode aumentar em 30% o risco de parada cardíaca, enquanto o uso do diclofenaco pode chegar a 50%. Para quem tem histórico de doença cardiovascular, como hipertensão, deve estar mais atento aos perigos desses dois medicamentos.

Conforme alerta Gunnar Gislason, coautor do estudo em uma nota reproduzida pela Sociedade Europeia de Cardiologia, “permitir que esses medicamentos sejam adquiridos sem receita médica e sem qualquer conselho ou restrição envia uma mensagem ao público que eles estão seguros. Nosso estudo reforça a evidência de efeitos cardiovasculares adversos dos AINEs e confirma que eles devem ser levados à sério e usados apenas após consulta com um profissional de saúde”, publicou a revista Veja.

A bula do ibuprofeno informa que o remédio “pode estar associado a um pequeno aumento do risco de eventos trombóticos (trombose) com infarto do miocárdio ou derrame”. Ainda pode ser lido na bula que “estudos epidemiológicos não sugerem que doses baixas de ibuprofeno (menos que 1200 mg diariamente) estejam associadas com o aumento do risco de eventos trombóticos (tromboses) arteriais, particularmente infarto do miocárdio”.

Já na bula do diclofenaco, está informado que o remédio não é indicado para quem tem doenças cardiovasculares. “Se você tiver doença no coração estabelecida ou nos vasos sanguíneos (também chamada de doença cardiovascular, incluindo pressão arterial alta não controlada, insuficiência cardíaca congestiva, doença isquêmica cardíaca estabelecida, ou doença arterial periférica), o tratamento com diclofenaco sódico geralmente não é recomendado.”

Os nomes comerciais de tais medicamentos

É importante que saibamos quais são os nomes usados na comercialização de ambos os medicamentos, para que possamos nos proteger dos seus riscos, já que são vendidos livremente nas farmácias sem necessidade de receita médica.

Os nomes comercias mais comuns para o ibuprofeno são:

– Advil.
– Algy-Flanderil.
– Alivium.
– Artril.
– Buprovil
– Brufen.
– Capfen.
– Dalsy
– Danilon.
– Doraplax.
– Ibufran.
– Ibupril.
– Lombalgina.
– Maxifen.
– Motrin.
– Nurofen.
– Spidufen.
– Vantil.

O ibuprofeno ainda pode ser encontrado em compostos com outras drogas:

– Algifen: ibuprofeno + paracetamol.
– Algi-Danilon: ibuprofeno + paracetamol.
– Fymnal: ibuprofeno + fenoterol.
– Reuplex: ibuprofeno + paracetamol.

Nomes comercias mais comuns para o diclofenaco:

Cambia®

- Cataflam®

- Diclac®

- Diclo P®

- Voltaren®

- Zorvolex®

- Zipsor®

Já alertamos outras vezes aqui no GreenMe sobre os perigos da automedicação. Mesmo que os medicamentos sejam vendidos sem receita, não os utilize sem orientação médica, pois eles podem agravar a dor no lugar de ajudar a passá-la. E pior: podem trazer problemas.

Especialmente indicado para você:

PLANTAS QUE PODEM SUBSTITUIR O PARACETAMOL E O IBUPROFENO

SAIBA QUAIS SÃO OS RISCOS DA AUTOMEDICAÇÃO PARA A SAÚDE