Magnetoterapia → o que é, benefícios, VANTAGENS e desvantagens

  • atualizado: 
Magnetoterapia

A magnetoterapia é uma técnica que explora os benefícios de campos magnéticos com fins curativos e de reabilitação. Para entender como esta técnica funciona você, primeiro, deverá entender o conceito de campo magnético.

Simplificando ao máximo, um campo magnético pode ser definido como uma porção do espaço em que atuam as forças magnéticas geradas por um íman, corrente elétrica ou campo elétrico, que pode variar com o tempo.

Quando aplicado ao corpo humano, o campo magnético é capaz de restabelecer o equilíbrio bioquímico das células e restaurar a funcionalidade correta da membrana celular.

As nossas células têm uma carga elétrica específica que se altera perdendo força quando estamos doentes. Nestes casos a membrana celular sofre despolarização, o que é especialmente acentuado quando sofremos dor ou algum processo inflamatório. Os impulsos eletromagnéticos têm a função de repolarizar a membrana celular restaurando o funcionamento fisiológico e o equilíbrio da energia.

De acordo com a frequência de emissão, a potência e a intensidade, as ondas eletromagnéticas são classificadas em ionizantes e não-ionizantes. As ondas utilizadas na magnetoterapia são não-ionizantes e, portanto, não invasivas. As ondas magnéticas ionizantes são amplamente utilizadas na medicina clássica com elevada eficácia terapêutica. No entanto, as ondas magnéticas ionizantes são absorvidas pelos tecidos e, em quantidades elevadas, são um risco real.

Tipos de terapia magnética

A magnetoterapia é aplicada em praticamente todas as doenças caracterizadas por dor, inflamação e quando ocorra déficit funcional vascular. Identificam-se três tipos de magnetoterapia em função da fonte geradora do campo magnético usado:

● estática
● baixa frequência
● alta freqüência

Magnetoterapia estática

Esta é a forma mais simples de magnetoterapia. Consiste em se aplicar, sobre a pele do local a ser tratado, um ou mais magnetos (ímã). Tem aplicação eficiente em casos de dores localizadas (quando você prensa o dedo na porta, por exemplo).

Aplica-se também os magnetos em oposição (por exemplo, de ambos os lados da perna ou do braço doloridos) criando um campo eletromagnético, em casos de dores reumáticas ou originárias de cansaço, má circulação, etc. No entanto, esta é a forma menos eficaz da terapia magnética porém, a mais fácil de se usar em um momento de urgência.

Existem no mercado faixas imantadas apropriadas para esse uso mais simples que podem ser contínuos, como pulseiras, tornozeleiras, meias, faixas de sustentação muscular ou coletes, que se ajustam à parte do corpo, criando um campo magnético no seu interior. Mas, qualquer ímã serve e funciona desde que você o consiga manter sobre o ponto a ser tratado (com um esparadrapo, por exemplo).

Magnetoterapia de baixa frequência

A magnetoterapia de baixa frequência gera campos magnéticos variáveis com frequências que oscilam entre 10 e 200 Hz e é adequada para favorecer a regeneração dos tecidos.

Magnetoterapia de alta frequência

Com a magnetoterapia de alta frequência (ou de freqüência de rádio) o campo gerado atinge alguns milhões de hertz (18-900 MHz). Estas frequências elevadas são adequadas para tratar processos dolorosos e inflamações.

Benefícios da magnetoterapia

O campo magnético gerado por um ímã atua principalmente nos sistemas ósseo, articular, muscular e vascular. As funções curativas do campo magnético são:

● Analgesia - alívio à dorTem um alívio analgésico / dor
● Resistência e mineralização óssea
● Acelera a calcificação das fraturas
● Aumenta o fluxo vascular e a velocidade do fluxo sanguíneo
● Melhora a circulação periférica
● Acelera a cicatrização de feridas, úlceras, e a cura dos tecidos moles
● Melhora o metabolismo da pele
● Ação anti-envelhecimento dos tecidos

Doenças que são curadas com magnetoterapia

A magnetoterapia é um bom coadjuvante no tratamento de doenças inflamatórias, reumáticas, articulares e nas úlceras de todo tipo, externas ou internas, em tecidos superficiais ou mucosas, incluindo:

● artrose
● artrite
● dor lombar
● hérnia de disco
● osteoporose
● doenças reumáticas
● dores musculares
● torções musculares e de tendão
● epicondilite (cotovelo do tenista)
● varizes
● úlceras de decúbito
● edema
● formigamento das mãos
● inflamação do túnel do carpo

Algumas vantagens da magnetoterapia

Em comparação com as terapias tradicionais, o tratamento com magnetoterapia apresenta indiscutíveis vantagens tais quais:

● É não-invasiva
● Não introduz qualquer elemento (químico ou outro) no organismo
● Não tem quaisquer efeitos secundários
● Não causa dor ou desconforto

Resumindo, podemos afirmar que a magnetoterapia só traz benefícios a quem a usa sendo uma técnica muito antiga, totalmente segura e de ótimos resultados. No entanto, não é nenhum milagre e requer de sistemática na aplicação (usar os imãs corretos, usar pelo tempo de 12 horas e descansar outras tantas, alternar as posições sempre criando um campo).

Quem não deve usar magnetoterapia?

A presença de ondas magnéticas não é aconselhada a pessoas portadoras de marca-passo cardíaco (que podem se desregular pelos impulsos do campo criado), implantes metálicos (que poderão ser magnetizados), quem sofra de distúrbios cardíacos graves (pois o coração é muito sensível ao campo magnético), em casos de doenças tumorais neoplásicas, em casos de hipertireoidismo e na gravidez e aleitamento.

É fácil de se entender o porquê das contraindicações acima referidas: qualquer campo magnético, criado junto ao corpo, ou que o envolva externamente, tem ação imediata em todo o equilíbrio eletromagnético do nosso organismo que, nos casos referidos, é demasiado sensível.

Especialmente indicado para você:

setaMEDITAÇÃO, REIKI, ARTETERAPIA: CONHEÇA AS TERAPIAS ALTERNATIVAS OFERECIDAS PELO SUS

setaSIGNIFICADO E BENEFÍCIOS DAS PEDRAS (FOTOS)

setaINFARTO: 20 SINTOMAS QUE NÃO DEVEMOS IGNORAR