Na Dinamarca nascem as clínicas públicas para a cura do estresse

Dinamarca nascem as clínicas públicas para a cura do estresse

Os países do norte da Europa são aqueles onde as pessoas deveriam viver melhor, os governos ajudam no bem-estar das famílias, as infraestruturas funcionam super bem, há menos burocracia e assim por diante. Imaginamos uma população tão relaxada e feliz. Mas...isso nem sempre é o suficiente para viver tranquilo e equilibrado, e é exatamente em um país do norte europeu, especificamente na Dinamarca, que vai nascer a primeira clínica pública para o tratamento do estresse.

Leia também: Qual é o lugar do mundo onde as pessoas mais se sentem felizes?

Estresse, como sabemos, é um fenômeno generalizado que nos deixa nervosos, nos tira a energia e que pode nos levar à conseqüências psicológicas, mas também físicas, enfraquecendo o nosso sistema imunológico e nos deixando doentes. É por isso que em Copenhague se pensou em criar uma clínicas especial para a cura do estresse, onde as pessoas vão se tratar exclusivamente dos seus sintomas mais comuns: depressão, ansiedade, insônia, ataques de pânico, etc.

As clínicas serão financiadas pelo governo dinamarquês no próximo plano de saúde pública a partir de 2015, e serão lugares onde os pacientes não só receberão os cuidados e apoio específico, mas serão informados sobre o estresse e suas conseqüências, ao mesmo tempo, aprendendo a controlá-lo melhor para evitar doenças ou terem uma recaídas depois do tratamento.

A idéia nasceu porque parece que conforme as últimas estatísticas na Dinamarca, uma em cada três pessoas tem problemas psicológicos por causa do nível muito alto de estresse a que estão submetidas. Muitas vezes, para o "transtorno do estresse" não é dada a devida atenção, como aponta a vice-prefeita com responsabilidade pela saúde de Copenhague, Ninna Thomsen: "Esperamos que a nova iniciativa recupere o paciente antes dele ir realmente para baixo, de modo que possamos evitar medicamentos, internações, doenças de longa duração e a perda de postos de trabalho".

É sim, porque os sintomas do estresse também afetam os custos a serem suportados pelo sistema de saúde pública, além de aumentarem as ausências nos locais de trabalho por motivo de doenças.

Talvez fosse o caso de todos os países se inspirarem na notícia, pois, no mundo inteiro, o que não falta é gente estressada!