Saiba quais são os medos e preocupações infantis, de acordo com a idade da criança

  • atualizado: 
medo criança

A palavra preocupação soa como coisa de adulto, mas o fato é que as crianças também enfrentam medos e têm ansiedade. Elas se preocupam com os fantasmas embaixo da cama, quando são muito pequenas, e depois com a imagem que passam para os colegas de escola, na adolescência. Veja os principais medos e preocupações delas de acordo com a idade.

O cérebro das crianças passa por uma fase de grande crescimento. A primeira infância é a fase na qual o cérebro cresce mais rápido do que em qualquer outro momento da vida. Isso causa nelas bastante ansiedade, pois o ritmo de coisas novas que elas aprendem todos os dias pode ser bem assustador.

Além disso, os humanos – todos eles, incluindo as crianças, - possuem no cérebro primitivo uma região chamada amígdala, que, entre outras coisas, justifica aquele medo terrível do desconhecido que as pessoas, em geral, têm.

Ter medo é normal, e isso só deve ser motivo de alerta se atrapalhar a vida social e o desenvolvimento emocional e cognitivo da criança. Nesses casos, é importante consultar um especialista.

Confira agora, abaixo, quais são as principais preocupações das crianças, de acordo com a idade delas.

Bebês e crianças pequenas – de até 2 anos

Angústia da separação – Nessa fase, os bebês, principalmente, não entendem que algo que some da visão deles continua existindo. Na verdade, eles imaginam que se algo desapareceu, nunca mais vai aparecer, por isso eles enfrentam uma sensação chamada “angústia da separação” e é por isso que elas choram tanto quando os pais saem de perto.

Excesso de estímulos como barulho – Sons muito altos podem provocar um verdadeiro terror nos bebês e crianças pequenas. Trovão, buzina, fogos de artifício, tudo isso é um estímulo excessivo e inesperado para os pequenos e isso pode ser bem assustador.

Crianças entre 3 e 5 anos

Medo do escuro – Nessa idade, a imaginação das crianças é imensa e por isso elas não conseguem separar muito bem o que é fantasia do que é realidade. Ficar no escuro, nesse sentido, pode gerar uma ansiedade, um medo muito grande na criança.

Pessoas fantasiadas – A frustração dos pais de verem os filhos chorando por causa do Papai Noel ou do palhaço que viram no circo é compreensível, mas saiba que crianças pequenas podem ter muito do desconhecido e isso inclui pessoas fantasiadas, como o bom velhinho ou algum outro personagem da cultura popular.

Dos 6 aos 11 anos

Entre 6 e 7 anos, as crianças continuam enfrentando o medo de escuro e do desconhecido, mas, com o passar do tempo, surgem novos temores, como:

Medo da morte – Nessa faixa etária, as crianças já entendem o conceito de morte e podem sofrer muito por perceberem que pessoas que elas gostam tanto podem deixá-las.

Medo de ficar sozinho – Embora a angústia de separação tenha sido superada, nessa fase, as crianças ainda sentem muito medo de ficarem sozinhas, sem os pais. Além de ainda terem uma rica imaginação, elas temem não conseguir lidar com o mundo.

Medo de rejeição – Aqui surge uma preocupação que vai acompanhar a criança pela vida adulta, pelo menos na maioria dos casos. O medo de não ser aceito é algo que começa a aparecer na pré-adolescência e pode ser bem relevante, principalmente no convívio social.

Adolescentes – Maiores de 12 anos

Imagem – Ao começarem a se importar mais com os amigos e a se desprenderem um pouco dos pais, os adolescentes podem sentir muito medo da imagem que passam para os colegas. Nessa fase, os dilemas são grandes e as interações sociais são essenciais para o desenvolvimento delas.

Desempenho – Não tirar notas boas ou não conseguir ganhar aquela medalha no esporte preferido podem ser motivo de bastante ansiedade, principalmente se a criança tem pais muito rígidos e que cobram sucesso.

Conflitos internos – No geral, os adolescentes têm bastante medo. Além da ação hormonal nessa etapa da vida, existe uma “separação” entre a criança e os pais, justamente porque elas precisam se encontrar como pessoas e saberem quem são. Isso pode gerar ansiedade, principalmente pelo fato de que ela não consegue dialogar muito bem na adolescência e muitos conflitos internos ficam guardados.

O amor vence o medo

Os medos, apesar de variados, devem ser trabalhados pelos pais sempre com muito amor e respeito pelo sentimento das crianças. Essa é a melhor forma de passar por cada fase – e são muitas – sem sofrer tanto e fazendo o melhor para os filhos.

Talvez te interesse ler também:

RECONHEÇAMOS O DIREITO DAS CRIANÇAS DE NÃO SEREM CAMPEÃS

ZERO REFRIGERANTE E OUTRAS BEBIDAS AÇUCARADAS (NEM SUCO NATURAL) A CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS

O MÉTODO DINAMARQUÊS QUE COMBATE O BULLYING ENSINANDO EMPATIA E FELICIDADE ÀS CRIANÇAS

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!