9 multinacionais do chocolate que exploram crianças

crianca-escrava

A produção de chocolate muitas vezes esconde uma verdade literalmente amarga. As multinacionais do chocolate ainda fazem uso da exploração do trabalho infantil para lucrarem tanto.

Hoje em dia muitas crianças ainda são tratadas como escravas e forçadas a trabalhar em condições precárias. Em setembro passado, foi arquivado um processo contra algumas empresas bem famosas - entre as quais estão nomes conhecidos, como Mars e Nestlé - que para a produção de seus chocolates, financiam o trabalho escravo de crianças na África Ocidental, de onde provêm dois terços do cacau utilizado no mundo.

As ações judiciais contra as empresas foram impetradas pela Hagens Berman Sobol Shapiro, sustentando que as gigantes do chocolate tendem a fechar os olhos para as violações dos direitos humanos por parte dos fornecedores de cacau na África Ocidental, sem nenhum problema. Estas empresas enganam os consumidores, porque elas se apresentam como socialmente e eticamente responsáveis, quando na verdade sabem que o cultivo e a colheita de cacau têm lugar em condições desumanas.

De acordo com um estudo realizado pela Universidade de Tulane, mencionado na denúncia, para as grandes empresas do chocolate, na Costa do Marfim, mais de 4.000 crianças estão em condições de trabalho forçado para a produção de cacau. Algumas crianças são vendidas para traficantes pelos seus pais desesperados por causa da pobreza, enquanto outras são sequestradas. Os comerciantes de escravos, por suas vezes, vendem as crianças para os donos das plantações de cacau.

As crianças são forçadas a viver em lugares isolados, são ameaçadas com espancamentos, ficam presas inclusive durante a noite para que não fujam e são forçadas a trabalhar por longas horas, mesmo quando estão doentes, de acordo com as denúncias apresentadas às empresas. As crianças carregam sacolas tão grandes e pesadas, que as colocam em risco de ferimentos graves. A idade das crianças escravizadas varia de 11 a 16 anos, mas também pode haver crianças com idade inferior a 10 anos.

crianca escrava 2

Para aumentar a conscientização do consumidor, a US Uncut publicou uma lista das empresas que exploram crianças para a produção de cacau e chocolate, para que os cidadãos preocupados com este problema possam evitar a compra de seus produtos.

  1. Hershey
  2. Mars
  3. Nestle
  4. ADM cocoa
  5. Guittard Chocolate Company
  6. Godiva
  7. Fowler’s Chocolate
  8. Kraft

Já em 2001, nos Estados Unidos, a FDA havia solicitado o rótulo “slave free” nos chocolates produzidos sem a exploração do trabalho infantil, mas as multinacionais se opuseram e a exigência da rotulagem ficou para até 2020, pelo menos.

Infelizmente, nesse meio tempo, entre 2009 e 2014 o número de crianças que trabalham no setor do cacau aumentou em 51%.

A US Uncut também publicou uma lista das empresas de chocolate que decidiram evitar a exploração do trabalho infantil.

  1. Clif Bar
  2. Green and Black’s
  3. Koppers Chocolate
  4. L.A. Burdick Chocolates
  5. Denman Island Chocolate
  6. Gardners Candie
  7. Montezuma’s Chocolates
  8. Newman’s Own Organics
  9. Kailua Candy Company
  10. Omanhene Cocoa Bean Company
  11. Rapunzel Pure Organics
  12. The Endangered Species Chocolate Company
  13. Cloud Nine

O que podemos fazer?

Podemos evitar de comprar das empresas que exploram o trabalho infantil com base em um sistema inaceitável para o cultivo e a produção de cacau, escolhendo as que ofereçam garantias de respeito aos trabalhadores, com referência aos produtos de comércio justo.

Para se aprofundar ao tema da exploração ligada à produção de cacau e chocolate, sugerimos assistir ao documentário "The Dark Side of Chocolate", no vídeo legendado em português, aqui abaixo.

Leia também:

seta6 MULTINACIONAIS ENVOLVIDAS COM TRABALHO ESCRAVO E EXPLORAÇÃO INFANTIL

setaA ESCRAVIDÃO MODERNA: OS 10 PAÍSES QUE MAIS ESCRAVIZAM ADULTOS E CRIANÇAS

seta12 DE JUNHO: “NÃO AO TRABALHO INFANTIL E SIM À EDUCAÇÃO DE QUALIDADE”

Fonte foto: foodispower