Feminicídio como crime imprescritível é aprovado no Senado: poderá ser julgado a qualquer momento, independente da data em que foi cometido

  • atualizado: 
Feminicídio

É fundamental que sejam fortalecidos, judicialmente, os mecanismos que coíbam qualquer tipo de violência contra a mulher.

Por isso, a aprovação pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 75/2019, que modifica o Artigo 5º da Constituição no intuito de tornar o feminicídio um crime inafiançável e imprescritível (pode ser julgado a qualquer momento, independentemente da data em que foi cometido), é importante no combate a esse tipo de violência.

A Lei do Feminicídio foi sancionada, em 2015, no Brasil para incluir o feminicídio como qualificador do crime de homicídio e no rol dos crimes hediondos que têm como vítimas as mulheres.

De acordo com a Agência Patrícia Galvão:

Feminicídio é o assassinato de uma mulher pela condição de ser mulher. Suas motivações mais usuais são o ódio, o desprezo ou o sentimento de perda do controle e da propriedade sobre as mulheres, comuns em sociedades marcadas pela associação de papéis discriminatórios ao feminino, como é o caso brasileiro”.

Sabemos que as taxas de feminicídio e violência contra a mulher são altíssimas em todo o país, o que revela um problema cultural que precisa ser enfrentado com educação para toda a sociedade e, também, com um remédio jurídico que as coíba.

O Brasil ocupa a quinta posição na taxa de feminicídios em um estudo feito em 84 países, segundo informação da Agência Patrícia Galvão.

A PEC, que ainda prevê como crime imprescritível e inafiançável o estupro, foi aprovada por unanimidade pelos senadores. O relator da proposta, senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), comentou que:

“É urgente. As mulheres continuam sendo vitimadas e, ao colocar na Constituição que o feminicídio será crime imprescritível, estamos garantindo o recado para o agressor. Este crime não será esquecido, a vítima não será abandonada e o Estado brasileiro tomará as providências adequadas”.

Outra senadora a defender a proposta foi Kátia Abreu (MDB-TO):

“Pegam a fragilidade física das mulheres e fazem com que sejam espancadas até a morte. Não vai adiantar arrumar dinheiro com parente rico para o assassino sair da cadeia. O feminicídio será crime inafiançável. Não adianta a Justiça demorar para julgar, porque esse crime não vai vencer”.

Agora, a proposta segue para ser analisada na Câmara dos Deputados.

Além da judicialização dos crimes

Entretanto, uma revolução feminista precisa ir além da judicialização dos crimes - que é fundamental, mas não a única ação para enfrentar o problema.  Juan Arias, em seu editorial para El Pais, defende uma revolução da linguagem para lidar com o desafio que se impõe neste século:

"O que talvez ainda falte a este grande movimento feminino de liberação é começar a fazer também a revolução da linguagem. Sempre, desde a aparição do Homo sapiens, foi a linguagem que moldou a história. Foram as palavras que criaram as ideias e a cultura, a política e a religião. E foi a linguagem que desde o início levou a marca masculina. Dizemos que a história começa com o Homo sapiens, não com a Mulher sapiens também".

Políticas públicas que promovam a igualdade de gênero tornam-se essenciais para se fazer essa revolução. Entretanto, ao mesmo tempo em que, no Brasil, temos essa proposta exitosamente aprovada no Senado, o discurso autoritário e belicoso de figuras políticas endossam e até fomentam o cenário de violência contra a mulher. 

Talvez te interesse ler também:

EPIDEMIA DE VIOLÊNCIA SEXUAL NO BRASIL (INCLUSIVE INFANTIL). PRECISAMOS FALAR SOBRE ISSO

BRASIL, TRÊS MULHERES SÃO ASSASSINADAS POR DIA. DADOS DA ONU

SAIBA COMO PROCEDER EM CASOS DE CRIME DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!