©anajulia.carvalho_/instagram

Estudante brasileira faz parte dos 10 finalistas ao Global Student Prize, o Nobel da Educação

Estudante brasileira faz parte dos 10 finalistas ao Global Student Prize, o Nobel da Educação

A estudante brasileira Ana Júlia Monteiro de Carvalho, é a única aluna finalista da América Latina no top 10 do Global Student Prize, considerado o Nobel da Educação para estudantes.

Aos 18 anos, Ana Júlia está voando longe com suas invenções e ideias visionárias para a pesquisa científica na área de robótica. Em sua candidatura ao prêmio, a estudante incluiu dois de seus projetos: o Aerador Sustentável e a Telha Ecosururu.

A brasileira de Maceió (AL), foi selecionada entre 3,5 mil outros estudantes de 94 países, para chegar à fase final do prêmio criado pela Varkey Foundation, que pela primeira vez decidiu lançar um prêmio para jovens estudantes.

Invenções que mudam realidades

Em entrevista à BBC News Brasil, ela conta um pouco sobre seus projetos e invenções:

“Geralmente, após a pesca do sururu, a casca é jogada fora. Resolvemos recolhê-las e triturá-las para fabricar as telhas e, assim, promover o empreendedorismo nas comunidades. Já o aerador sustentável, é um mecanismo eólico desenvolvido por mim e pela minha equipe para melhorar a qualidade da água dos animais de rebanho, principalmente de caprinos e ovinos, e também a qualidade do leite. Com a força do vento, hélices movimentam um aerador, que ajuda a evitar a proliferação de bactéria e micro-organismos na água, garantindo, consequentemente, uma melhor saúde para os animais e impactando no leite que produzem”.

Ana Júlia ainda conta que o dom para ciência a acompanha desde criança: no sexto ano criou seu primeiro projeto científico que tentava impedir as tartarugas marinhas a não serem atraídas pelas luzes das cidades.

Pela robótica, Ana já viajou aos Estados Unidos e Uruguai, apresentando projetos que contribuem positivamente para a vida das pessoas e do meio ambiente.

De Alagoas para o mundo

Ana Júlia nunca pensou que iria estar entre os 10 finalistas do prêmio Nobel de Educação para estudantes. Mas a menina sonha alto.

Caso seja ganhadora do Global Student Prize, a brasileira pretende usar o dinheiro para estudar no exterior e aprimorar seus conhecimentos. Ana conta:

“Eu não imaginava que eu, de Alagoas, seria a única representante da América Latina. Agora as pessoas veem que eu posso mudar o mundo e eu acho que posso ajudá-las. É importante abrir caminhos e os projetos precisam ser aplicados efetivamente”.

Recentemente, houve a qualificação dos top 50 e top 10 estudantes. As avaliações continuam e o resultado do Global Student Prize será divulgado no dia 10 de novembro.

Talvez te interesse ler também:

Lixo eletrônico é usado para ensino de robótica nas escolas públicas de Fortaleza

10 invenções de crianças para tornar o mundo um lugar melhor 

Em Cuiabá alunos transformam bicicleta velha em cadeira de rodas 

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *