©csamhaber/Pixabay

Desmonetize: o movimento que funciona porque mexe no bolso do orgulho macho

Desmonetize: o movimento que funciona porque mexe no bolso do orgulho macho

Macho que é macho tem que se sentir por cima da carne seca. E uma das formas de ele se sentir assim é com dinheiro no bolso.

Tanto é que o movimento da masculinidade branca, em ascensão nos Estados Unidos e no Brasil, ganhou força nos últimos anos por causa da crise financeira de 2008. Os machos brancos começaram a sua insurreição contra as mulheres e outros grupos minoritários na tentativa de salvar a sua condição de macho e provedor.

O macho branco também se sente licenciado a falar e agir sem que o seu dizer e as suas atitudes sejam responsabilizadas. Quando o são, recebem uma pena bem mais branda, seja legal ou simbólica, do que aquela aplicada a mulheres, indígenas, negros, pobres, gays, lésbicas e travestis.

Exemplos disso abundaram nas últimas semanas aqui no Brasil. O mais recente é o caso que envolve o DJ Ivis, cuja agressão à ex-mulher e à filha, embora tenha chocado muitos de nós, também fez que o agressor ganhasse muitos fãs em suas redes sociais. Claro que a lei precisa ser aplicada em um caso de violência contra a mulher e a criança, mas ações pontuais e concretas têm um efeito mais imediato: o repúdio e o boicote.

Desmonetizou

Ivis, que era produtor do cantor Xand Avião, foi demitido. O artista anunciou a demissão do DJ da produtora Vybbe, que também administra a carreira de outros cantores, após os vídeos do agressor que circularam pelas redes sociais. Ao G1, Xand disse:

“Não admito nem compactuo com nenhum tipo de violência, ainda mais com uma mulher. Nada explica, não tem explicação”.

A gravadora “Som Livre”, do grupo Sony Music, também cancelou seu contrato com IvisSegundo a IstoÉ, a gravadora não vai mais gravar uma faixa musical de autoria do DJ, além de manifestar-se nas redes sociais dizendo que “não tolera este tipo de comportamento”.

Nas redes sociais, o movimento #DesmonetizaDJIvis ganha cada vez mais força. A consequência da adesão popular fez com que o Spotify e a Deezer retirassem as músicas do agressor de suas playlists.

Outro caso recente de agressão a minorias envolveu o apresentador da Rede TV Sikêra Jr., quem há muito tempo atua, através de uma concessão pública, agredindo e construindo estereótipos sem  qualquer consequência para si. Até que veio a gota d’água quando um comercial da Burguer King sobre diferentes formações familiares virou alvo das suas falas violentas contra casais LGBT.

Após proferir um festival de preconceito, várias pessoas manifestaram-se, também, pelas redes sociais contra o apresentador e a emissora. O resultado foi que, embora A RedeTV! ainda não tenha demitido Sikêra Jr. do Alerta Nacional, várias empresas deixaram de patrocinar o programa por não quererem suas marcas vinculadas ao agressor.

As consequências no bolso

Tanto Ivis quanto Sikêra vieram a público se desculpar pelo que fizeram. Provavelmente não por arrependimento, mas porque sentiram no bolso as consequências de seus atos. Não patrocinar o trabalho desses homens é uma das formas de coibir a violência masculina, junto com as necessárias medidas jurídicas que os impeçam de seguir com seus atos violentos e inibam outros homens de fazerem o mesmo.

Temos a responsabilidade ética de não investir em pessoas preconceituosas e agressores de qualquer tipo.

Talvez te interesse ler também:

Japão, nadador olímpico é suspenso por traição. Brasil, jogador estupra e segue carreira

Aceitando sacanagem como qualquer coisa normal

Manterrupting, gaslighting, mansplaining: você precisa conhecer esses termos

Distorção digital: na Noruega, influenciadores deverão sinalizar fotos retocadas

Escravidão no Brasil: o que você precisa saber que não te contaram na escola

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *