Escravidão no Brasil: o que você precisa saber que não te contaram na escola

Escravidão no Brasil: o que você precisa saber que não te contaram na escola

O historiador Laurentino Gomes é um dos nomes mais importantes de sua área sobre o tema da escravidão no Brasil. Sete vezes ganhador do Prêmio Jabuti de Literatura, Gomes é categórico: “A escravidão é o assunto mais importante da história do Brasil”.

Não há como entender o nosso passado e as feridas que ele deixou abertas em nossa sociedade sem mergulharmos na herança da escravidão que os portugueses deram ao Brasil.  As marcas são profundas: cerca de 2 milhões de pessoas foram arrancadas de suas terras na África, marcadas a ferro quente, e colocadas em navios para serem comercializadas como produtos no Brasil durante 100 anos.

Ferida aberta

É claro que tamanha brutalidade não poderia ser apagada da sociedade em que nos tornamos e que nós decidimos não encarar e discutir com a importância que o tema merece. Para Gomes, não se pode entender nenhum acontecimento histórico no Brasil sem falar em escravidão.

Segundo o UOL, o historiador irá lançar a segunda edição de uma trilogia sobre a escravidão no Brasil, sobre a qual contou em uma entrevista à BBC News Brasil. Ele defende que a escravidão não é um tema exclusivo de livros de História e museus; ela é fundamental para a compreensão da realidade brasileira no século XXI.

“A escravidão está nos indicadores sociais até hoje. Há um abismo entre números referentes ao Brasil branco e o Brasil negro, além do racismo, que é como uma ferida que fica abrindo a toda hora”.

Contribuição social

Os africanos escravizados foram fundamentais para a formação sociocultural e o desenvolvimento econômico brasileiros.

No livro “Escravidão – Da corrida do ouro em Minas Gerais até a chegada da corte de Dom João ao Brasil”, que se passa entre 1700 e 1800, auge do tráfico negreiro no Atlântico, Gomes mostra como a motivação pela descoberta das minas de ouro e diamantes e o cultivo de cana-de-açúcar, arroz, tabaco, algodão e outras atividades que faziam uso intensivo de mão-de-obra escravizada fizeram com que as pessoas mais ricas do Brasil não fossem barões de café nem senhores de engenho, mas sim traficantes de escravos.

“A compra e venda de pessoas se tornou o maior negócio do Brasil e do mundo nessa época”, explica o historiador.

Tecnologia africana

Sem os africanos, os portugueses dificilmente teriam conseguido desenvolver a  mineração em Minas Gerais. A tecnologia mineira veio da África, e não da Europa. Quem conhecia de garimpo eram os africanos, enquanto os portugueses sabiam fazer açúcar.  Para Gomes, essa compreensão altera completamente a versão dos fatos históricos de que os negros são seres inferiores aos brancos, até mesmo porque as narrativas oficiais não foram contadas do ponto de vista das pessoas escravizadas:

“Isso muda bem a visão da escravização e da própria construção do Brasil. A tecnologia e o conhecimento que permitiram a construção do Brasil e de seus muitos ciclos econômicos eram africanos”. 

Identidade nacional

Outro aspecto que marcou negativamente a história brasileira é a versão de que a escravidão no país teve um caráter sutil, o que ajudou a construir a identidade brasileira sobre um falso pacifismo.

Como assevera Gomes:

“A característica principal da escravidão era a violência”.

A violência era nua e crua. Muita gente morreu, muita gente não resistiu à tamanha barbaridade, feita com requintes de crueldade.

Laurentino também toca em outro tema delicado: a religião, pois a igreja usava uma mensagem de amor, misericórdia e acolhimento, que paradoxalmente deturpou e justificou a escravidão, que não teve nem amor nem misericórdia de ninguém.

Por que nós não temos heróis negros na história contada na escola? Os negros são protagonistas da nossa identidade nacional, e foram eles, os africanos escravizados, que enriqueceram o nosso país, como diz o samba enredo 100 Anos de Liberdade, Realidade Ou Ilusão do G.R.E.S. Estação Primeira de Mangueira.

“Moço
Não se esqueça que o negro também construiu
As riquezas do nosso Brasil”

A contribuição dos africanos na identidade brasileira é enorme, e não só do ponto de vista financeiro, mas no caráter, no comportamento, na cultura, nas crenças, nos costumes, muita coisa em nós é de raiz africana.

É preciso desmascarar essa história mal contada e aprender o que não nos ensinaram nas escolas.

Confira AQUI a entrevista completa concedida por Laurentino Gomes à BBC News Brasil sobre a escravidão no Brasil.

Esse tema é absolutamente necessário para todos os brasileiros.

Talvez te interesse ler também:

Os momentos mais importantes da luta contra o racismo

13 de maio de 1888: fim da escravidão no Brasil… só que não!

“Papai mudou o mundo”: julgamento do caso Floyd é história do racismo na Terra

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *