Trabalho escravo ainda é realidade no Brasil: 21 pessoas resgatadas na Bahia

Trabalho escravo ainda é realidade no Brasil: 21 pessoas resgatadas na Bahia

O Ministério Público do Trabalho (MPT) divulgou, na semana passada, dados sobre o trabalho escravo no Brasil relativos a 2019.

No ano passado, 21 pessoas foram resgatadas de trabalho escravo na Bahia. O estado é o quinto, desde 2003, onde a prática desumana ainda persiste no Brasil.

Onde o trabalho escravo é mais frequente

Das 21 pessoas resgatadas, 9 são venezuelanas. O órgão fiscalizou diversas áreas, tanto na zona rural quanto na urbana. A atividade onde o trabalho escravo é mais utilizado é a agropecuária, sendo a cadeia do cacau a que apresenta os maiores índices no estado baiano, conforme informado pelo G1 a partir dos dados do MPT.

Em Ilhéus, importante cidade do polo produtivo de cacau no sul da Bahia, as vítimas já estavam sob o domínio dos fazendeiros há anos. Elas viviam em condições precárias, sem esgoto e água encanada, além de instalações elétricas com risco de curto-circuito.

Segundo o MPT, ao todo cerca de mil pessoas em situação de trabalho análogo à escravidão foram resgatadas nas 45 operações realizadas pelo órgão em todo o país.

Denuncie!

É a partir de denúncias que o MPT consegue chegar aos locais de exploração humana. Por isso, é fundamental que essas redes sejam desmanteladas para que todas as pessoas tenham o direito a um trabalho e condições de vida dignos no Brasil.

Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo

O dia 28 de janeiro marca o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Nessa data, o MPT realiza várias ações para reforçar a importância da articulação entre diversas instituições para prevenir e erradicar o trabalho escravo no Brasil.

Nos últimos cinco anos, o MPT recebeu 5.909 denúncias sobre trabalho escravo, das quais 516 tiveram ações ajuizadas e 1.402 termos de ajuste de conduta (TACs) foram firmados.

O dia 28 de janeiro foi a data escolhida porque lembra um dia triste para a história do país, quando, em 2004, houve a Chacina de Unaí, que provocou a morte de quatro auditores fiscais do Ministério do Trabalho. Eles foram assassinados enquanto investigavam denúncias de trabalho escravo na zona rural de Unaí.

O procurador-geral do MPT, Alberto Balazeiro, ressalta que:

“Falar em trabalho escravo é falar em construção coletiva. Então o grande mérito desse evento é reconhecer que nenhuma instituição faz nada sozinha”.

Talvez te interesse ler também:

Trabalho infantil: além de ilegal, provoca a morte de milhares de crianças no Brasil

A primeira empresa espanhola a introduzir a semana de trabalho de 4 dias

Na Suíça, o trajeto de casa até o escritório se contabiliza como tempo de serviço, se feito em transporte público

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *