Sem consentimento explícito, é estupro: a nova lei aprovada na Suécia

  • atualizado: 
estupro

Se eu não disser sim de qualquer forma e uma relação sexual for consumada, é estupro: a nova lei aprovada pelo Parlamento sueco, que entrará em vigor no próximo dia 1º de julho, põe fim à uma (falsa) dúvida sobre o que pode ser uma violência. Se uma parte não diz sim verbalmente ou fisicamente, é estupro, mesmo que não tenha ocorrido uma violência física real.

Parece óbvio, mas na realidade, infelizmente, não é. Preconceitos, a cultura masculina retrógrada, mesmo hoje, até no chamado primeiro mundo, a legislação muitas vezes pouco clara, deixa muito espaço para interpretações erradas.

Na Suécia agora tudo é baseado no princípio do consentimento. É, portanto, o consenso que deve ser explícito, não dissidente. Então, se eu não disser sim em palavras ou nos fatos, sou forçada a fazer algo que não quero, e então isso é estupro. A lei, portanto, está em conformidade com os princípios da Convenção de Istambul de 2011 sobre violência contra a mulher, que estabelece, entre outras coisas, que as nações signatárias devem considerar ilegal qualquer forma de ato sexual que não preveja o consentimento dos participantes.

"Se a participação num ato sexual é consensual ou não, representará agora o limite pelo qual um ato é considerado punível - escreve o Parlamento sueco numa nota anunciando a votação a favor da nova lei - Por exemplo, um arguido poderia ser acusado de estupro, mesmo que não tenha recorrido à violência ou ameaças".

A mudança de rumo no país vem depois de uma longa campanha midiática, que explodiu sobretudo após os eventos de 2013, quando, devido a uma legislação mais "abrangente", houve absolvições completamente questionáveis.

De fato, até agora, a Suécia considerava o estupro uma violência que só poderia ser efetuada em caso de violência física real ou ameaças (em ambos os casos a serem comprovados), e assim em 2013 6 adolescentes de 15 a 17 anos foram absolvidos, após uma condenação preliminar, porque a vítima não podia ser considerada incapaz de compreender e, portanto, por isso considerada "co-responsável" pela violência.

Estes e outros incidentes escandalosos semelhantes que provocaram indignação no país e, finalmente, após mais 5 anos, a campanha de sensibilização deu frutos: a partir de 1° de Julho, na Suécia, não haverá mais dúvidas (esperançosamente) sobre o que é uma violação.

"Esta votação marca uma grande vitória para ativistas em geral, e ativistas dos direitos das mulheres suecas que pedem essa mudança há mais de 10 anos", disse Anna Blus, pesquisadora da Anistia Internacional sobre os direitos das mulheres na Europa. Incrivelmente, a Suécia é agora apenas o décimo estado na Europa a reconhecer que o sexo sem consentimento explícito é estupro. A maioria dos estados europeus condiciona a definição de estupro à força física, ameaça ou coerção: uma definição desatualizada que causa danos imensuráveis. Ainda há um longo caminho a percorrer, mas estamos confiantes de que a votação de hoje em Estocolmo promoverá uma mudança profunda nas leis e costumes europeus".

Esperamos que a nova lei aprovada no país escandinavo seja um farol para muitas outras nações, incluindo do chamado "mundo avançado" ou "primeiro mundo", que também precisa seriamente de mudanças. Apesar de quase todos os países europeus terem assinado a Convenção de Istambul, poucos são os que têm legislação realmente adequada (além da Suécia, Reino Unido, Alemanha, Bélgica, Irlanda, Chipre e Islândia, enquanto a Finlândia e Dinamarca estão em discussão).
 
E assim chegamos aos paradoxos, apenas para citar um dos exemplos mais escandalosos, como a decisão de Pamplona, ​​pela qual os juízes de Navarra julgaram culpado apenas por abuso sexual, e não por estupro, cinco homens que estupraram em grupo um jovem de dezoito anos no festival de San Firmin, na cidade espanhola.

Isto por causa da legislação que é muito "fraca". Na época dos acontecimentos (2016) a menina estava em estado de choque, o que a impediu de reagir, permanecendo por todo o tempo de violência com os olhos fechados e por isso, segundo a lei espanhola, faltou coerção violenta: abuso sexual, não estupro em grupo.

Se eu não disser sim, eu não quero. Esta é a mensagem que esperamos superar as leis e as consciências mundiais.

Leia mais:

CULTURA DO ESTUPRO: É URGENTE ACABAR COM ISSO

NÃO É NÃO – CARNAVAL 2018 CONTRA O ASSÉDIO SEXUAL

CURTA-METRAGEM ABORDA ESTUPRO ENTRE CASAL: É PRECISO FALAR DISSO

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!