©Reprodução/TV Globo

Aceitando sacanagem como qualquer coisa normal

E o caso Robinho continua dando o que falar. Embora o jogador com todo seu carisma continue pregando inocência (com o todo seu direito constitucional), agora a bola da vez está sendo o comentário do ex-jogador Walter Casagrande para o Globo Esporte.

“A sociedade tem que parar de aceitar sacanagem como qualquer coisa normal”.

Certíssimo Casagrande! E como normal ele cita vários episódios recentes, mas a lista seria grande. Quanta sacanagem a gente aceita como normal?

Começando pelo próprio caso Robinho…

Dada a grande sacanagem pela qual o moço foi condenado a 9 anos de prisão na Itália (por estupro), para amenizar a sacanagem, que aí não é mais sacanagem, Robinho diz que seu “único” erro foi ter traído a esposa.

Ah essas feministas estão acabando com o mundo mas uma outra sacanagem que está acontecendo vem das próprias mulheres que aceitam as sacanagens de seus maridos, especialmente se eles forem ricos e famosos, afinal, as outras que morram de inveja.

Sororidade, ou melhor, ação e solidariedade entre as mulheres, com raras exceções, não existe.

É hora de começar a existir união entre as mulheres e de pararmos, como sociedade, de aceitar sacanagem como coisa normal.

Então tá! Robinho não violentou não estuprou, apenas traiu e aí não tem sacanagem porque sacanagem é mulher querer dar pra homem rico. Não é assim que pensa a sociedade?

É hora de parar de aceitar sacanagem como qualquer coisa normal. Pronto! Falou Casagrande!

Que mais este triste episódio nos faça repensarmos como sociedade. Evoluamos!

Talvez te interesse ler também:

Japão, nadador olímpico é suspenso por traição. Brasil, jogador estupra e segue carreira

Violação conjugal: sexo por obrigação no casamento é estupro?

Síndrome do Don Juan, sedutor mentiroso e compulsivo. Reconheça e fuja dele

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É fundadora e redatora-chefe em GreenMe Brasil.

Veja Também

Índia luta contra o “jihad do amor”: o casamento interreligioso

O estado mais populoso da Índia declarou estar comprometido em lutar contra o “jihad do …